Novo protótipo da Adobe usa inteligência artificial para identificar rostos modificados pelo Photoshop

Programa por enquanto ainda é apenas um protótipo e não deve ser comercializado, mas já mostra taxas de acerto superiores a 99%

por Pedro Strazza

A dinâmica até embolorou de tão velha: você está navegando pela internet, se depara com uma foto espetacular e estrelada por um ser humano que parece próximo de uma estátua grega de perfeição corporal e facial e a primeira coisa que pensa é “certeza que tem Photoshop envolvido”. Dona do software que virou sinônimo de montagem e ajustes visuais, a Adobe pelo vistou está preocupada com este uso desmedido do programa, especialmente numa era onde a desinformação se aproveita dele para promover caos e manipulação na sociedade, e por isso está desenvolvendo pesquisas que pelo menos ajudem o público a identificar mais rápido o que é fake.

A empresa divulgou hoje em seu blog oficial um novo estudo que vem conduzindo com a Universidade de Berkeley para a criação de uma inteligência artificial que automaticamente esclarece se um rosto foi manipulado no Photoshop. Realizada por Richard Zhang, Oliver Wang, Sheng-Yu Wang, Andrew Owens e Alexei A. Efros, a ferramenta ainda está na fase inicial de desenvolvimento, por enquanto sendo apenas um protótipo concebido em cima da opção Face Aware Liquify do software, mas de acordo com a Adobe buscará não só distinguir imagens adulteradas das verdadeiras como desfazer o processo e restaurar o rosto ao seu visual original.

Ainda que em estágios iniciais, porém, a IA já está obtendo resultados extraordinários. Em um teste para avaliar se os próprios rostos haviam sido manipulados, as pessoas que participaram como cobaias conseguiram acertar 53% dos casos em tiveram as faces alteradas ou não pela ferramenta do Photoshop, enquanto o software manteve uma taxa de acerto de mais de 99%.

Esta não é a primeira vez que a Adobe financia pesquisas que combatam a manipulação de imagem à partir de seus programas. No ano passado, a companhia já tinha divulgado uma outra ferramenta de IA que detectava a edição externa em cima de mídias à partir de divisões, clonagem ou remoção de objetos. A Adobe, porém, declarou que por enquanto não tem intenções comerciais com estas pesquisas.

Compartilhe: