Novo programa de Fábio Porchat leva narrativa dos podcasts ao GNT

“Que História É Essa, Porchat?” é um programa de conversas e compartilhamento de histórias que busca se espelhar no sucesso dos programas de áudio

por Matheus Fiore

Desde que as principais mídias se tornaram algo indispensável na vida da maioria das pessoas, a televisão tenta levar para seu formato um pouco da internet para ver se de alguma forma mantém seu público fiel enquanto conquista novas gerações. O que vemos, porém, é um conflito de formatos, no qual a internet sai ganhando por ter sempre conteúdo atualizado, on demand e muito mais variado, mas mesmo assim as principais emissoras ainda batalham para se adaptar à nova realidade.

Podemos ver isso, por exemplo, na forma como a Rede Globo investe na interatividade com o público. Em transmissões esportivas, comentários feitos pelos torcedores nas redes sociais são projetados na tela, além de o próprio público escolher os destaques dos jogos do Campeonato Brasileiro. Já no “Fantástico”, um dos principais programas da Globo, há um quadro dedicado exclusivamente ao uso de memes e linguagem de internet para comentar os acontecimentos de destaque da semana.

Agora, porém, a Globosat parece disposta a levar outra característica da era digital para a televisão pelo GNT. Fábio Porchat, que começou como comediante de stand up e também se destacou por sua atuação no canal do Porta dos Fundos, lidera um novo formato: o programa de auditório de storytelling.

O compartilhamento de histórias e experiências pessoais ganhou bastante importância na era da internet. O sucesso de podcasts nos quais pessoas compartilham experiências no formato “papo de bar” é enorme. Agora, com seu “Que História É Essa, Porchat?”, Fábio Porchat se propõe a levar isso para a televisão. O programa reúne Porchat com figuras ilustres do meio artístico e da imprensa brasileira para contar as mais variadas histórias de vida. 

O interessante é que, além de levar celebridades, o programa também traz a interatividade com o público como diferencial, mas por ser um programa gravado a interatividade é presencial. A própria plateia do programa compartilha seus relatos de vida e os participantes do programa interagem e comentam essas histórias também. Com isso, “Que História É Essa, Porchat?” tenta levar essa dinâmica podcaster/digital para o clássico formato de programa de auditório que há décadas se destaca no Brasil.

Estivemos presentes na gravação de um dos episódios do programa e pudemos perceber como a dinâmica proposta por Porchat funciona, tanto pela fluidez com que a conversa se desenvolve quanto pela busca do público por participar e interagir. Afinal, o programa tem como parte de sua proposta apresentar uma ponte entre as celebridades que participam e o público, de forma que artistas, diretores, jornalistas e demais figuras midiáticas não sejam vistos como membros de uma espécie de elite, mas como pessoas normais, com relatos divertidos do cotidiano.

A Globo e a Globosat parecem ser o grupo que melhor vem se adaptando às novas demandas do público. Não só pelo poder financeiro, muito superior ao dos concorrentes, mas por estar sempre aberta a experimentar com novos formatos. Desde o investimento nas minisséries com um formato menos novelesco e mais cinematográfico, até a criação de plataformas que emulam o streaming, como o Globoplay, que traz conteúdo original e importado para os assinantes.

A investida no “Que História É Essa, Porchat?”, porém, é um marco diferente. Se há anos ouvimos que os podcasts estão prestes a estourar no Brasil, a Globo foi uma das primeiras grandes emissoras a olhar mais cautelosamente para o formato. Na ala esportiva, por exemplo, os clubes de futebol já possuem seus podcasts próprios discutindo os temas da semana no GloboEsporte.com.

Mas com o novo programa é diferente. Como dito anteriormente, a característica dos podcasts que parece estar sendo experimentada em “Que História É Essa, Porchat?” não é o formato de mídia ou o modelo de distribuição, mas sim o conteúdo despretensioso e de fácil identificação para o público. Vale observar como o público reage à novidade e, caso Porchat tenha sucesso em seu novo projeto, como outros canais e artistas poderiam repetir a ideia em um formato livre das limitações de programas mais formais de entrevista e auditório, geralmente presos a pautas mais genéricas e blocos temáticos que podem ser um tanto quanto limitadores.

“Que História É Essa, Porchat?” estreia na programação do GNT na próxima terça-feira, 6 de agosto, às 22h30.

Compartilhe: