Amazon vende gasolina a 30 centavos nos EUA para promover “Maravilhosa Sra. Maisel” (e é claro que deu errado)

Com o combustível sendo vendido no país na altura dos U$ 2,50, milhares de motoristas decidiram prestar uma visita às pressas no posto da Chevron onde o desconto era aplicado

por Pedro Strazza

A Amazon tem encontrado jeitos no mínimo curiosos de promover sua série “Maravilhosa Sra. Maisel”, tentando sempre aproveitar o cenário do fim dos anos 50 da produção comandada por Amy Sherman-Palladino e Daniel Palladino para criar estandes e ações nostálgicas. A mais recente envolveu uma ideia que a princípio soa bonita em sua ingenuidade: a empresa resolveu vender o galão de gasolina pelo preço promocional de 30 centavos num posto da Chevron localizado na cidade de Santa Monica, Califórnia, como parte de um esforço nostálgico para dar uma impulsionada no valor midiático do seriado há um mês da realização da próxima cerimônia do Emmy – onde concorre em 20 categorias.

A proposta seria muito bonitinha se não fosse um pequeno detalhe: não apenas a gasolina hoje não é vendida ao mesmo preço de 1958, mas também custa muito mais caro em relação ao passado, estando disponível nos Estados Unidos na altura dos 2,50 dólares. E com o combustível de repente sendo disponibilizado no mercado a um preço muito abaixo do valor atual, é claro que rolou cenas de dor, sofrimento e muito desespero na região para abastecer o carro por uma pechincha.

A venda de gasolina barata foi sem dúvida a parte mais desastrosa do tal “Maisel Day”, que de acordo com o Los Angeles Times ainda incluiu descontos deste nível de agressividade em outros 30 negócios da região de Los Angeles. A polícia de Santa Monica teve que chegar ao ponto de suspender temporariamente a campanha na estação da Chevron devido a explosão de trânsito nos arredores, conforme milhares de usuários fizeram o óbvio e tiraram o carro da garagem pra conseguir seu desconto no combustível.

Segundo a equipe de reportagem da ABC, os oficiais só puderam reestabelecer a situação pouco mais de duas horas depois, com um pouco mais de controle sobre o tráfego formado no posto. As medidas foram drásticas e incluíram avisos de trânsito à população para impedir que motoristas desavisados fossem pegos de bobeira pelo caos.

O que é engraçado notar é que aparentemente o único lado caótico do “Maisel Day” foi mesmo a gasolina. As redes sociais oficiais da série não chegaram a fazer nenhum pronunciamento oficial sobre a fila quilométrica do posto da Chevron, compartilhando tweets de usuários felizes com as compras baratinhas de hot dogs, ingressos de cinema e cortes de cabelo promovidos pela Amazon.

Esta não é a primeira vez que a Amazon apronta uma promoção dessas, ainda que a escala do negócio desta vez tenha sido sem precedentes. Durante a divulgação do lançamento do segundo ano de “Sra. Maisel” no ano passado, a companhia fez uma parceria com a rede do Carnegie Deli para a venda de sanduíches com desconto na cidade de Nova York.

Compartilhe: