Cientistas alertam sobre perigos de implantar chip de inteligência artificial no cérebro

Questionamento vem após anúncio feito por Elon Musk e sua startup Neuralink sobre o desenvolvimento de chips com inteligência artificial que, entre outras funções, ajudaria na recuperação de pessoas com lesões físicas e motoras

por Soraia Alves

No mês passado, Elon Musk anunciou estar trabalhando no desenvolvimento de chips com inteligência artificial que, entre outras funções, ajudaria na recuperação de pessoas com lesões físicas e motoras. O projeto criado pela Neuralink, startup de neurotecnologia de Musk, foca em conectar o cérebro das pessoas a smartphones e computadores através do chip, e assim explorar as possibilidades do feito.

Mas, a ideia pode ser menos vantajosa do que parece. De acordo com a psicóloga cognitiva Susan Schneider, em um editorial para o Financial Times, o projeto pode significar um “suicídio para a mente humana”. Embora Schneider diga que a inteligência cerebral poderia ser aumentada com chips, “haverá um ponto em que você terminará sua vida”.

Para Schneider, os aprimoramentos baseados em IA poderiam ser usados ​​para suplementar a atividade neural, mas se eles substituírem o funcionamento normal do tecido neural, em algum momento eles podem acabar com a vida de uma pessoa: “A preocupação com uma fusão geral com a IA, no sentido mais radical que Musk prevê, é que o cérebro humano seja diminuído ou destruído”, explica.

A especialista ainda afirma que “o ‘eu’ pode depender do cérebro e se a sobrevivência do eu ao longo do tempo requer que haja algum tipo de continuidade em nossas vidas – uma continuidade de memória e traços de personalidade – mudanças radicais podem quebrar a continuidade necessária”.

A questão também é filosófica, entrando no questionamento sobre “qual é a natureza do eu ou da mente?”. Enquanto isso, Elon Musk não é o único a apostar nessa ideia de cérebro conectado. Ray Kurzweil, diretor de engenharia do Google, também já afirmou que espera que até 2045, nosso cérebro esteja funcionando como a tecnologia em nuvem.

Compartilhe: