Ex-funcionário do Google e da Uber é processado por roubo de tecnologia

Engenheiro roubou mais de 1400 arquivos com informações sobre tecnologia, engenharia e negócios para planejar o seu próprio protótipo de veículo autônomo

por Matheus Fiore

Anthony Levandowski trabalhou como engenheiro e fundador do projeto do carro autônomo do Google, o Waymo. Antes, ele também esteve envolvido em projetos da Uber para desenvolver veículos autônomos para o principal aplicativo de transportes do planeta. Agora, porém, Levandowski está sendo processado por roubo de tecnologia, já que o engenheiro aparentemente levou alguns arquivos do Google ao deixar o projeto.

Um advogado da California acusa Levandowski de roubar aproximadamente 1400 arquivos do Google, que envolvem informações sobre engenharia, manufatura e negócios. Levandowski teria guardado todos os documentos para utilizar a tecnologia e os estudos em projetos futuros. O engenheiro trocou os projetos envolvidos por uma empresa chamada Kache.ai em 2018, mas não ficou claro se os dados guardados estavam sendo utilizados pelo Kache ou se Levandowski ainda tinha planos para novos projetos.

“Todos temos o direito de mudar de emprego, mas nenhum de nós tem o direito de encher nossos bolsos no caminho para fora. Roubo não é inovação” afirmou o advogado David Anderson em uma declaração para a imprensa. Se condenado, Levandowski pode pegar até 10 anos de prisão e pagar uma multa de U$ 250 mil dólares por cada violação cometida.

A Uber e a Waymo (como foi nomeado o projeto do Google) se pronunciaram oficialmente sobre o caso. A Uber afirmou estar cooperando com o governo durante as investigações, enquanto a Waymo disse acreditar que a competição entre marcas deve ser motivada pela inovação e que apreciam o trabalho do FBI no caso. Ao que tudo indica, Levandowski estava planejando desenvolver seu próprio veículo autônomo com as informações roubadas.

Compartilhe: