Nos Estados Unidos, streaming já é responsável por 80% das vendas de música

Plataformas como Spotify e Apple Music geraram 4,3 bilhões de dólares em lucros no primeiro semestre de 2019

por Pedro Strazza

Em um novo estudo divulgado pelo The Wall Street Journal, a Recording Industry Association of America confirmou que cerca de 80% da arrecadação do mercado da música nos Estados Unidos hoje acontece pelas vias do streaming. Graças ao crescente sucesso de plataformas como o Spotify e o Apple Music, as plataformas deste segmento viram seus lucros crescerem 26% no primeiro semestre de 2019 e acumularem até 4,3 bilhões de dólares.

Embora as estatísticas acumuladas pela organização somem tanto o pagamento de assinaturas quanto os streams apoiados por sistema de anúncios, a Recording Industry afirma que o número de assinaturas de serviços do tipo aumentou 31% neste período e foi sozinha responsável por uma fatia de 62% dos lucros do mercado. O Spotify e o Apple Music obviamente são os principais responsáveis pelo sucesso: enquanto a companhia sueca ultrapassou a marca dos 100 milhões de assinantes, o streaming de música da Apple já está na marca dos 56 milhões de usuários.

O mercado musical estadunidense, vale dizer, cresceu consideravelmente neste primeiro semestre de 2019. A pesquisa da Recording Industry aponta que a arrecadação aumentou em 18% no período, registrando um montante total de 5,4 bilhões de dólares, algo que se deve não apenas ao streaming mas também ao fortalecimento do segmento de mídia física, com vendas de CDs e vinis marcando expansões de 5% e 13%. Juntos, as duas mídias trouxeram à indústria lucros de 709 milhões de dólares.

No que consta o streaming, porém, o grande dilema no momento é como converter parte destes números grandiosos aos artistas responsáveis pelas faixas. Embora músicos celebrados como Taylor Swift, Drake e Ariana Grande tenham se tornado os mais escutados nestas plataformas, a fração do pagamento revertido a eles e cantores e bandas não tão cultuados é ínfima perto do que vai para as gravadoras e os nomes maiores da indústria.

Compartilhe: