Mercado de cannabis deve chegar aos US$ 30 bilhões nos EUA até 2025

Relatório da New Frontier Data aponta que mais estados devem legalizar a substância no país, com a "verdinha" em si se tornando um dos temas das eleições presidenciais de 2020

por Pedro Strazza

O negócio da maconha cresce a passos largos conforme a legislação de estados importantes dos Estados Unidos começa a abraçar a causa e autorizar gradualmente a comercialização da “verdinha” no país. E conforme regiões como o Colorado e Nova York legalizam a substância e negócios paralelos como do álcool, dos refrigerantes e mesmo do cigarro se preparam para experimentar na nova área, o prospecto é de forte crescimento no mercado.

É o que diz a New Frontier Data (NFD), pelo menos, cujo novo relatório revela que até 2025 as vendas de cannabis devem aumentar em até 14% e bater a marca de 30 bilhões de dólares só no país. Intitulado “A Perspectiva Industrial do Mercado Norte-Americano de Cannabis 2019”, o documento de mais de cem páginas lançado pela organização projeta que o processo de legalização da maconha deve continuar acontecendo em outros cantos dos EUA, alcançando ainda mais regiões que os atuais 33 estados (além da capital) onde ela já é comercializada.

De acordo com a NFD, hoje o número de cidadães estadunidenses que fazem uso da substância pelo menos uma vez ao ano é de algo na casa dos 38,4 milhões, com 36% deste público consumindo diariamente e 59% com base semanal a verdinha. É na venda para uso adulto, vale apontar, que o mercado da cannabis deve se apoiar nestes próximos seis anos, chegando a aumentar 16% para alcançar o valor de US$ 16,6 bilhões em vendas no país.

Aos olhos da fundadora e CEO da entidade Giadha Aguirre de Carcer, estas projeções são extremamente “significantes” dado que todas as estimativas criadas pela NFD tendem a adotar certo conservadorismo. “Investimentos estrangeiros na indústria da cannabis norte-americana seguem firmes e o consumo doméstico continua a crescer, especialmente com a legalização de novos estados” acrescentou a executiva no anúncio dos resultados do relatório em Las Vegas.

A previsão mais importante do documento, porém, é mesmo a importância que a maconha deve ter nos debates da vindoura eleição presidencial de 2020. Aos olhos do chefe da área de informações da NFD John Kagia, há atualmente no país “uma importante reavaliação do lugar da planta na sociedade e o aumento de debates sobre a legalização em capitais e comunidades locais por todo o país” e a pressão popular sobre a autorização da comercialização da substância é parcialmente responsável por levar quase todos os candidatos democratas para dentro da conversa.

Alinhando o apoio cada vez maior do público norte-americano com “o apoio entre eleitores jovens sendo muito maior do que o de eleitores mais velhos, a tendência em direção a uma visão acolhedora da cannabis será geracional” declara o pesquisador.

Compartilhe: