Dicionário Collins abre os trabalhos na escolha da expressão do ano: “greve do clima”

Expressão escolhida ganhou força ao longo do ano, depois que a ativista sueca Greta Thunberg inspirou manifestações para combater as mudanças climáticas

por Soraia Alves

Como acontece todos os anos, diversos dicionários elegem uma palavra ou expressão que sintetiza o ano em questão. No ano passado, por exemplo, o famoso Dicionário Oxford escolheu “tóxico” como a palavra de 2018.

Para 2019, o Dicionário Collins abre os trabalhos para a já tradicional escolha e é o primeiro a divulgar a expressão marcante do ano: “greve do clima”.

Segundo a BBC, a frase foi gravada pela primeira vez em 2015, quando alguns estudantes protestaram contra o aquecimento global utilizando o termo. Em novembro do mesmo ano, ela foi oficialmente registrada durante a “Conferência das Nações Unidas Sobre Mudanças Climáticas”, em Paris.

Na explicação do dicionário, o termo representa “uma forma de protesto em que as pessoas se ausentam da educação ou trabalham para participar de manifestações que exigem ações para combater as mudanças climáticas”.

O movimento pela greve climática ganhou força ao longo do ano, depois que a adolescente e ativista sueca Greta Thunberg chamou a atenção ao aparecer na frente do parlamento sueco com uma placa dizendo “greve escolar pelo clima”. Ela também afirmou que não iria à escola até que os políticos suecos entrassem em ação.

Greta inspirou estudantes do mundo todo a exigirem ações de seus governos locais em prol do meio ambiente e para combater as mudanças climáticas, com o auge das manifestações em setembro.

Compartilhe: