amazon-go

Amazon planeja grande expansão de sua rede de mercados sem caixa em 2020

Ideia é que Amazon Go ganhe unidades em formato de quiosques e supermercados no começo do ano, além de empresa considerar licenciar para terceiros sua tecnologia dos caixas automatizados

por Pedro Strazza

A Amazon desde 2016 vem fazendo uma série de investimentos no Amazon Go, seu conceito de mercados sem caixas de pagamento. Iniciado em Seattle, a rede da marca hoje inclui estabelecimentos em 21 cidades nos Estados Unidos, um número que mostra ainda o quão experimental é o projeto no momento – ao contrário do Whole Foods, de longe o negócio mais amplo das três iniciativas do conglomerado no ramo.

Mas depois de anunciar uma nova rede de mercearias no começo do mês, a companhia de Jeff Bezos agora pelo visto vai bancar pra valer o conceito do Go. De acordo com o Ad Age, a Amazon está se preparando para realizar uma série de inaugurações de novas unidades do mercado automatizado no primeiro trimestre de 2020, o que inclui a abertura tanto de lojas menores, no formato de quiosques para compras rápidas, quanto de grandes supermercados, que obviamente trazem o modelo de negócio para o formato mais ambicioso possível.

Para financiar esta expansão, porém, a empresa também está em processo de consideração de licenciar a tecnologia dos caixas automatizados para terceiros. Com testes sendo realizados atualmente em um imenso espaço de varejo em Seattle e lojas de conveniência pontuais em Nova York, Chicago e São Francisco, a Amazon estaria segundo a CNBC realizando conversas preliminares com companhias como a rede de cinemas Regal e a operadora de concessões em aeroportos CIBO Express para explorar o sistema do Go em outros ramos. A negociação, porém, ainda é muito inicial porque a companhia não decidiu qual seria o melhor modelo de negócios na hora de conceder essa tecnologia.

Esta decisão pelo licenciamento é natural se considerar que o Amazon Go no momento é um investimento bem caro para a companhia. Com funcionários reportando que acumularam juntos um bilhão de dólares em salário desde o início do projeto, diversas reportagens indicam que a Amazon tem gasto milhões de dólares no aprimoramento da tecnologia, desde as câmeras que mantém a operação funcional até os servidores que processam as compras do usuário.

O desejo da empresa em tornar parte do cotidiano o modelo de negócios continua intacto, entretanto, e a prova maior disso são justamente os planos de diversificação da escala destas lojas.

Compartilhe: