Tinder trabalha em “botão do pânico” para quando o date der muito errado

Rede social também lançou um novo sistema de verificação por selfie que autentica o usuário como dono da conta

por Pedro Strazza

O Tinder anunciou nesta quinta-feira (23) uma série de novidades ao aplicativo que buscam aumentar a segurança da plataforma, incluindo um sistema de verificação por fotos para eliminar perfis falsos. O grande destaque, porém, está na informação de que a rede social está trabalhando em um botão do pânico que garante aquela ajuda mínima aos usuários caso eles se vejam em apuros durante um encontro que deu muito errado.

De acordo com o Wall Street Journal, a opção será colocada em período de testes nos Estados Unidos até o fim de janeiro e aproveita um conjunto de tecnologias do aplicativo Noonlight, que a Match – empresa dona do Tinder – adquiriu em tempos recentes. O recurso usa de geolocalização para conseguir localizar o usuário e, caso necessário, ajudá-lo a sair da fria em que se encontra.

Caso o date resulte numa situação onde um dos envolvidos se sinta em perigo, o usuário poderá ativar um alarme dentro da plataforma que os levará para uma seção no qual se precise entrar com um código. Se o código não for preenchido, o app irá mandar uma mensagem; caso a mensagem não for respondida, a Noonlight fará uma ligação ao celular do indivíduo e, se ainda não houver resposta, a companhia entrará em contato com a polícia.

Outra ferramenta prevista do link com a Noonlight é um sistema de verificação por foto que permite à base de usuários confirmar que a pessoa por trás da conta são verdadeiras. Com autenticação marcada por um visto azul (bem no esquema das contas verificas do Twitter), a novidade permite que os indivíduos cadastrados no Tinder tenham acesso a uma forma mais rápida de contato com serviços de emergência, além de poderem sinalizar com velocidade quaisquer ofensas recebidas no app. A autenticação por enquanto será realizada por humanos, mas não se descarta a possibilidade de automatizar o procedimento em um futuro breve.

Seja instituídas ou ainda em fase de planejamento, estas novas ferramentas anunciadas sinalizam novos esforços do Tinder para aumentar a segurança de seus usuários em uma plataforma cuja dinâmica é fadada a riscos eventuais – o app de encontros não deixa de ser uma que leva o indivíduo a conhecer estranhos, afinal. Essa preocupação não é nova na empresa: em julho de 2019, por exempo, o Tinder lançou recursos voltados para a proteção de sua base de usuários LGBT+ em países que criminalizam relações não-heterossexuais.

Compartilhe: