Venda de brinquedos eróticos nos EUA dispara com pandemia do coronavírus

Lojas relatam aumento de até 225% nas vendas online, com vibradores entre itens mais procurados por consumidores isolados pela crise

por Pedro Strazza

A pandemia do coronavírus afeta o mundo inteiro, mas conforme vários mercados encontram-se em crise perante a quarentena de milhões e a aplicação de medidas de distanciamento social, outros estão conseguindo ver o lado bom da moeda. Isso inclui por incrível que pareça a área de brinquedos eróticos, cujas empresas estão vendo pelo menos nos EUA uma alta nas vendas graças ao maior número de pessoas presas em casa e sem muito a fazer – e pessoas para ver.

O site estadunidense Adam & Eve, por exemplo, confirmou ao Mashable que o número de compras na plataforma aumentou 30% na última semana em relação ao mesmo período em 2019. Lojas menores, a Emojibator e a Dame Products também relatam fenômenos parecidos: enquanto o último registrou um crescimento de 30% em vendas desde meados de fevereiro (com destaque especial para grandes cidades como Nova York e Los Angeles), a primeira afirma que a renda subiu até 225% em todos os braços de revenda (incluindo o sítio na Amazon e outras revendedoras) e beira aos 345% na plataforma oficial da empresa.

As compras parecem estar concentradas em torno de vibradores das mais variadas cores, tamanhos e estilos nas três companhias, mas há espaço para outros itens eróticos. Além do dildo mecânico, outro produto bastante procurado nas “prateleiras” da Adam & Eve são os anéis para casais, que em teoria aumentam o prazer durante o sexo.

Como proceder a partir deste cenário novo fica a cargo de cada empresa. A Dame Products, por exemplo, vai doar 1% de suas vendas para o Banco Alimentício de Nova York para auxiliar o público que está sofrendo com fome durante a crise, justificando que além do rala e rola “há muito que nós podemos fazer para ajudar as pessoas durante este momento”. Já o Emojibator deve lançar em breve edições limitadas de seus produtos originais para conseguir a demanda cada vez maior.

Compartilhe: