compras-online-crise-coronavirus

Vendas online de itens básicos disparam por pandemia do novo coronavírus

Bebidas, alimentos e produtos de saúde e beleza registram crescimento de 180%

por Matheus Fiore

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABcomm), a pandemia do novo coronavírus já impactou de forma significativa no mercado de compra e venda online. Desde a quinta-feira do dia 12 de março, algumas lojas virtuais chegaram a registrar um aumento de 180% em transações nas categorias Alimentos, Bebidas, Beleza e Saúde.

O presidente da ABcomm, Mauricio Salvador, acredita que o e-commerce está em condições de atender a um eventual crescimento de demanda. “O setor está preparado para aumentos sazonais, como acontece no caso da Black Friday, onde algumas lojas virtuais recebem em apenas um dia, o equivalente aos pedidos do mês inteiro”, diz Salvador.

Porém, há também os mercados prejudicados pela crise. Em categorias como Câmeras, Filmadoras e Drones caíram em 62%. Já o mercado dos Games, um que estava sempre em ascensão no Brasil, registrou uma queda de 37%. Eletrônicos, em geral, teve uma queda de 29%.

“A crise não beneficiará ninguém. Se por um lado, as vendas estão aumentando no e-commerce, por outro, as pessoas ficam mais reticentes em gastar e, por isso, a economia está toda sendo prejudicada”, afirmou Salvador.

Apesar de estarmos na era da internet, ainda há empresas ainda hesitam em investir nas transações online. Durante a pandemia do novo coronavírus, porém, é esperado que mais empresas projetem aderir às novas formas de comunicação e venda. Mesmo assim, todos os mercados e negócios de pequeno e médio porte devem ser afetados pela pandemia. Até porque, um dos maiores desafios do atual cenário é não apenas a venda online, mas também a logística para entrega de produtos.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link