Robô analisa como pessoas se sentem de acordo com o andar – e dá mais ou menos espaço para cada um

Robô ProxEmo faz análises em tempo real de como uma pessoa está se sentindo, baseado na forma como essa pessoa está andando

por Soraia Alves

Pesquisadores da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, desenvolveram um algoritmo chamado ProxEmo, que permite a um pequeno robô fazer análises em tempo real de como uma pessoa está se sentindo, baseado na forma como essa pessoa está andando.

De acordo com o resultado obtido, o robô escolhe uma rota para oferecer mais ou menos espaço ao indivíduo. A ideia é que o sistema seja usado para facilitar as interações entre robôs e humanos, num momento em que as máquinas forem ainda mais sofisticadas. “Se alguém se sente triste ou confuso, o robô pode ir até a pessoa e dizer: ‘Você está triste hoje, precisa de ajuda?'” diz Aniket Bera, pesquisador de robótica e inteligência artificial da Universidade de Maryland, que ajudou a desenvolver o ProxEmo. A análise também pode ajudar o robô a “passar reto” por uma pessoa que não gostaria de interagir com ele.

Para entender como o caminhar está relacionado às emoções, os pesquisadores usaram algoritmos que analisavam vídeos de pessoas andando, com a imagem de cada pessoa sobreposta por um esqueleto com 16 articulações, incluindo pescoço, ombros e joelhos. Em seguida, eles usaram algoritmos de aprendizado profundo para fazer com que o sistema associasse certos passos esqueléticos às emoções que os voluntários humanos associavam àquelas pessoas que andavam.

“Quando os robôs se comportam de maneira não natural, as pessoas não apenas podem se sentir desconfortáveis, mas também podem levar a colisões, porque a pessoa não consegue adivinhar como esse robô está se movendo”, diz a cientista de computação do MIT Dina Katabi. “Portanto, se um robô, por exemplo, pode evitar deixar as pessoas desconfortáveis ​​porque está chegando muito perto, isso seria benéfico”, finaliza.

É importante ressaltar que o robô baseia suas ações em emoções percebidas. Ele não consegue, de fato, ler o estado interno de ninguém, assim como um humano também na consegue dizer o que outra pessoa está sentindo apenas olhando pra ela.

Compartilhe: