Ford promete ser uma empresa neutra em carbono até 2050

Para cumprir o compromisso, a empresa precisa reduzir sua produção de gases poluentes e encontrar maneiras de também diminuir os impactos ambientais causados por seus automóveis

por Soraia Alves

A Ford lançou um comunicado no qual assume o compromisso de se tornar uma empresa neutra em carbono até 2050, e que exigirá esforços da montadora alinhados às metas estabelecidas no Acordo de Paris. Para cumprir o compromisso, a empresa precisa reduzir sua produção de gases poluentes e encontrar maneiras de também diminuir os impactos ambientais causados por seus automóveis.

A empresa afirma que se concentrará em três fontes principais que representam 95% de suas emissões de dióxido de carbono: as emissões dos veículos que vende, emissões de suas fábricas e de seus fornecedores. A empresa estabeleceu uma meta de alimentar completamente todas as suas fábricas com energia renovável até 2035.

O maior desafio da Ford realmente será diminuir os efeitos causados por seus veículos. Três quartos das emissões de CO² do planeta são causadas pela queima de combustível que alimenta esses carros. De acordo com um relatório apresentado pela própria Ford, só nisso a empresa contribui com aproximadamente 135 milhões de toneladas de dióxido de carbono. O número equivale a quase 35 usinas a carvão por ano. Em comparação, as instalações da Ford em todo o mundo produziram o equivalente a menos de uma usina de carvão em emissões de CO² em 2019.

A empresa lembra que já tem adotado mudanças significativas em seus processos há algum tempo. Essas mudanças resultaram em uma diminuição de 14% das emissões absolutas de carbono de suas instalações no ano passado. Isso é quase o mesmo que tirar 138 mil carros de circulação.

Em 2018, também anunciou um investimento superior a US$ 11 bilhões na produção de veículos elétricos, considerados pela empresa como essenciais para garantir o cumprimento da meta até 2050.

Compartilhe: