devoltab9

Em meio a pandemia, festival quer te levar de volta ao cinema com blockbusters que você já viu

De Volta Para o Cinema exibirá sucessos como "Matrix", "Os Vingadores" e "Batman: O Cavaleiro das Trevas"

por Matheus Fiore

O festival De Volta Para o Cinema quer te levar de volta para os cinemas. Marcado para o começo de setembro, o projeto exibirá dezenas de filmes em salas de todo o Brasil. O DVPC divide sua programação em salas temáticas, que exibirão desde sucessos de bilheteria do humor nacional, como “Fala Sério, Mãe” e “Até Que a Sorte Nos Separe”, até sucessos do público nerd, como “Pantera Negra” e “Os Vingadores”.

Os ingressos custarão R$ 10 nas salas comuns e R$ 20 nas salas VIP. Ambas as opções oferecerão meia-entrada. Idealizado por Érico Borgo, o projeto é o maior festival de blockbusters já realizado no Brasil em número de salas. “Pensamos em um Festival com foco nos maiores fãs do cinema, mas sem esquecer que o Brasil é um país vasto, com particularidades em cada região. Portanto, equilibramos sucessos de público e de crítica, clássicos recentes e filmes que marcaram a história do cinema” comenta Borgo no anúncio.

A iniciativa, porém, é um tanto quanto problemática por alguns fatores. O primeiro é a pressão pela reabertura dos cinemas em meio a uma pandemia que, só no Brasil, já custou a vida de cem mil pessoas. O país nitidamente ainda não está pronto para a reabertura das salas e para o retorno da vida normal. Não por acaso, os principais festivais de cinema do Brasil, como a Mostra de São Paulo, o Festival de Brasília e o Festival de Gramado, já confirmaram que suas edições serão inteiramente virtuais ou serão adiadas e até mesmo canceladas devido à crise.

A reabertura vem em um momento no qual o mercado cinematográfico agoniza. Muitas das empresas que administram as salas de cinema do país estão em situação financeira delicada por causa da pandemia. Essa crise, claro, não ameniza o fato e que organizar um festival que incentive e dependa da presença das pessoas em ambientes fechados é um tanto quanto perigoso.

É a medida desesperada e equivocada de um setor em crise.

Compartilhe: