Sem shows físicos por tempo indeterminado, Spotify deve apresentar recurso para eventos virtuais

Ferramenta pretende conectar artistas e público por meio de eventos virtuais ao vivo, uma vez que os shows físicos não devem voltar tão cedo

por Soraia Alves

O Spotify está desenvolvendo uma ferramenta que pretende conectar artistas e público por meio de eventos virtuais ao vivo, uma vez que os shows físicos não devem voltar tão cedo. O recurso foi descoberto pela engenheira Jane Manchun Wong e ainda não está disponível na versão pública do app.

De acordo com as imagens compartilhadas por Jane, as páginas dos artistas passarão a mostrar uma nova seção de “Próximos eventos virtuais”. Ao clicar no evento, o usuário tem acesso às informações do mesmo. No caso, a engenheira viu um show da banda BTS, que acontece no iHeartRadio Music Festival no próximo dia 19/09, e que neste ano não um terá público presencial.

Antes da pandemia, as listas de eventos físicos já apareciam na plataforma, que trabalha com parceiros de venda de ingressos incluindo Ticketmaster, Songkick, Resident Advisor, Eventbrite, AXS e ePlus. Esses mesmos sites de venda de ingressos adotaram os eventos virtuais em meio à crise, como forma de manter seus negócios funcionando.

Assim, para lançar o novo recurso de eventos virtuais, o Spotify só precisaria ajustar seus próprios acordos de parceria existentes – o que nenhum parceiro teria porquê se opor.

O Spotify ainda não anunciou oficialmente a novidade.

Antes da crise de saúde global, as apresentações ao vivo eram uma parte significativa de como os músicos ganham dinheiro, com estimativas de que os ganhos com as apresentações ao vivo chegam a 75% dos ganhos dos músicos de destaque. (E antes da pandemia, o Spotify – em sua estratégia maior de construir serviços de negócios para artistas para ajudá-los em seu marketing, merchandising e outras atividades de geração de dinheiro – também estava se envolvendo no negócio de música ao vivo, junto com outros, como a Apple. )

Tudo mudou nos últimos meses, porém, com a cessação dos eventos ao vivo como os conhecíamos.

Embora alguns artistas tenham tentado brincar com formatos mais novos, como oferecer “potes de dicas” ou transmitir pequenas apresentações no Facebook Live, isso não é necessário escalar da maneira que uma apresentação ou show maior teria feito. Isso abriu as portas para que organizadores de eventos maiores, empresas de streaming dedicadas e players de música maiores se envolvam.

Na verdade, o teste e o trabalho do Spotify em eventos ao vivo estão chegando em um momento em que estamos vendo uma série de movimentos semelhantes de empresas de streaming de música.

Ainda hoje, a eMusic anunciou uma parceria com a 7Digital para lançar o eMusicLive, que descreve como um “concerto virtual e plataforma de monetização” (mais uma vez, a ênfase não está apenas em construir uma maneira de realizar apresentações ao vivo virtualmente, mas para ajudar os artistas a ganhar dinheiro com de outras maneiras).

E ontem, a Rhapsody, dona do Napster, foi adquirida pela startup de performance musical envolvente MelodyVR, que construiu um negócio em torno de shows virtuais. MelodyVR também tem trabalhado em eventos com grandes organizadores como Live Nation e outros no rastro das regras COVID-19 que impedem grandes encontros pessoais. O MelodyVR tem grandes ambições de elevar seus shows virtuais, agora com o benefício adicional de fornecer um grande catálogo de streaming junto com essas experiências de vídeo.

Outros interessados ​​em construir serviços virtuais de performance musical incluem Twitch, que está aprofundando seus laços com a indústria musical. E não se esqueça que a Apple em 2018 discretamente adquiriu o Platoon, um grupo de especialistas em A&R que poderia ajudar a empresa a estar mais perto de buscar e descobrir talentos e trabalhar com artistas, talvez também em nome do desenvolvimento de performances ao vivo.

Combinados, esses esforços podem ajudar a impulsionar o mercado de transmissão ao vivo, após aumentos constantes na frente de monetização ao longo dos anos. Dados da plataforma de concerto virtual StageIt, conforme relatado pela Billboard, observaram que os fãs estavam pagando apenas US $ 3,75, em média, por uma transmissão ao vivo de 30 minutos em 2011. Desde então, esse valor cresceu para US $ 16,50. Antes da pandemia, a PricewaterhouseCoopers havia projetado que eventos de música ao vivo gerariam US $ 28,8 bilhões em receita em 2020. Mas se o Spotify aproveitará todo o potencial do mercado enquanto se desenrola no palco virtual, resta saber.

Compartilhe: