Com filme “Essa é Minha Cor”, Avon reforça seu compromisso contra o racismo

Campanha traz ainda um manifesto antirracista escrito pela cantora Larissa Luz

por Soraia Alves

A Avon iniciou uma jornada de compromisso para reparar injustiças históricas com importantes metas internas, como contratação de 50% de pessoas negras nos cargos de entrada (estágio e trainee) a partir de 2021e 30% de mulheres negras em cargos de liderança até 2030. E para elucidar esse movimento em combate ao racismo, a empresa lança a campanha “Essa É Minha Cor”.

Seu conceito é o desdobramento de um estudo realizado pela Avon com o objetivo de entender a diversidade de tons e subtons das peles negras brasileiras. A criação da paleta foi resultado do trabalho colaborativo entre a maquiadora Daniele Da Mata, uma das maiores experts em pele negra no Brasil, e a cientista norte-americana Candice Deleo-Novack, chefe de desenvolvimento de produtos para olhos, rosto e design técnico de produtos da Avon. A dupla conseguiu sintetizar em uma única paleta a maior gama possível de tons e subtons das peles negras brasileiras ao aportar um olhar humanizado para cada produto.

“Essa é Minha Cor”, filme de lançamento dos novos produtos, foi cocriado pela Wunderman Thompson Brasil e Larissa Luz, que fez a música, escreveu o manifesto da campanha e é uma das estrelas do filme ao lado de Cris Vianna, Daniele Da Mata, Ana Paula Xongani, Magá Moura, Odara, Geovana Ribeiro, Glória Abreu, Lub Big Queen, Onika Bibiano Vilma Caetano

A nova campanha foi coproduzida pelo Coletivo Mooc e a Damasco e será exibida na TV, digital, OOH, Outdoor Social e rádio. 

Manifesto 

Abaixo, você confere o manifesto escrito por Larissa Luz:

Ser mulher negra é nascer com uma missão: sobreviver.  

Porque parece que estamos sempre no risco, senão de morrer, ao menos de enlouquecer. 

Mas mesmo com tudo, quando estamos juntas, deixamos de ser mulheres de guerra e passamos a ser mulheres de amor.  

Na mistura das nossas tintas mora o tom do abraço,  

e ele é reluzente, é consistente.  

O tom ideal vem da nossa união.

E mergulhando nessa paleta, buscamos achar o nosso lugar. 

Poder assumir a nossa verdade, na pele crua é acessar a liberdade. 

Seguir com a segurança e a convicção de que o mundo é nosso e somos a revolução.  

Bater no peito e dizer com vontade:  

Eu sou preta, eu sou negra, essa é minha cor! 

Compartilhe: