fbpx
91Xk4uMW7SL._AC_SL1500_

Alemanha vai eliminar últimos vestígios do nazismo do alfabeto fonético

Nomes como "David" e "Zacharias", de origem judaica, haviam sido substituídos substituídos na pronúncia por "Dora" e "Zepelim"

por Matheus Fiore

O alfabeto fonético alemão deve passar por sutis mas importantes mudanças nos próximos anos. Segundo a BBC, a Alemanha pretende eliminar os últimos vestígios do nazismo presentes na pronúncia das letras, a fim de extinguir traços antissemitas que foram implementados durante o período nazista.

A maioria das pessoas sequer sabe que algumas pronúncias do alfabeto possuem origem nazista, e experts estão trabalhando para definir como será a abordagem, a transição e o resultado final. Antes da ditadura nazista, letras como “D”, “N” e “Z” eram referenciadas como “David”, “Nathan” e “Zacharias”, nomes de origem judaica que foram substituídos por “Dora”, “Polo Norte” e “Zepelim”. As pronúncias fonéticas são muito utilizadas principalmente em ligações telefônicas, quando se utiliza um nome para deixar claro qual letra está sendo pronunciada.

A iniciativa partiu de Michael Blume, responsável pelo combate ao antissemitismo no estado de Bade-Vurtemberga, no sudoeste da Alemanha, e tem o apoio do Conselho Central dos Judeus do país. Agora, o trabalho de conceber os novos termos para as letras está nas mãos do Instituto Alemão de Normalização (DIN).

Julian Pinning, porta-voz do DIN, afirmou que escolher novos nomes seria problemático, pois não refletiria a diversidade étnica da Alemanha de hoje. Outros nomes como “Jacob”, “Samuel” também foram apagados durante o regime nazista, sendo substituídos por “Julius” e “Siegfried”. Apesar de ainda haver vestígios, boa parte das referências nazistas foram apagadas logo após o fim da segunda guerra, como “Ypres”, que se tornou “Ypsilon”, baseado na pronúncia original da letra em latim.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link