Depois da Tesla, PayPal começa a aceitar pagamentos em Bitcoin, Ethereum e Litecoin

Disponível apenas nos Estados Unidos, recurso converte instantaneamente as criptomoedas em dólares na hora do pagamento e não cobra taxas adicionais pelo serviço

por Pedro Strazza

Uma semana depois da Tesla cumprir com a promessa de começar a aceitar pagamentos em Bitcoin, o PayPal segue o mesmo caminho. Cinco meses depois do anúncio, o serviço de pagamentos disponibilizou nesta terça (30) nos EUA uma nova modalidade que permite aos usuários realizarem transações com Bitcoin, Ethereum ou Litecoin.

Batizado de “Checkout with Crypto”, a modalidade acompanha o debute da seção que possibilitava a compra e venda de criptomoedas, lançada pelo PayPal em novembro e também disponível por enquanto só no território estadunidense. A nova ferramenta realiza o trabalho de converter instantaneamente as moedas em dólares para fins de pagamento, sem cobrar tarifas ou juros em cimas do serviço – o mesmo está previsto para locais que não aceitam a moeda americana, com a plataforma fazendo a devida conversão na hora.

Ainda de acordo com a companhia, o recurso deve aparecer na carteira virtual de todos os usuários que tiverem “um balanço suficiente de criptomoedas para cobrir uma compra elegível”, com o PayPal exibindo os valores equivalentes em dólar de todos os montantes das três variantes citadas. O único porém é que não é possível “combinar” criptomoedas: se você usar Bitcoin num pagamento, por exemplo, não será possível “completar o valor” com Ethereum ou Litecoin.

Além da Tesla, o PayPal também repete os passos da concorrente Square, que desde 2018 conta com estruturas que aceitam Bitcoin em seu aplicativo. O fato da companhia começar a permitir pagamentos com criptomoedas, porém, dá um diferencial importante ao serviço de pagamentos numa área que em tese só aquece.

Compartilhe: