asmr
Imagem: Getty Images/ iStockphoto

Estudo da Deezer mostra que 29% dos brasileiros entrevistados sentem prazer ao ouvirem ASMR

Respiração, barulho de tesouras cortando objetos e sussurros são os três sons mais populares de ASMR

por Soraia Alves

A Deezer entrevistou 12 mil pessoas ao redor do mundo para saber suas percepções sobre ASMR e descobriu que as preferências por alguns tipos de sons podem ser diversas e baseadas em fatores como idade, gênero e nacionalidade. No geral, respiração, barulho de tesouras cortando objetos e sussurros são os três sons mais populares de ASMR.

O estudo também descobriu que ASMR tem se popularizado ainda mais no mundo todo, com 63% dos entrevistados revelando que consomem esse tipo de conteúdo. A maior razão das pessoas amarem esse “formigamento cerebral” causado pelos sons é para reduzir o stress (37%) ou por conforto (35%). Mais de um quarto (1/4) dos respondentes ouvem ASMR para dormir, enquanto 21% ouve para melhorar o humor. A geração Z foi a única faixa etária que escolheu “entretenimento” como o maior motivo para consumir ASMR.

A sensações causadas por ASMR não são as mesmas para todos. Enquanto 25% dos entrevistados não têm nenhuma reação física ou emocional, uma porcentagem similar de pessoas se sentem mais calmos e relaxados (24%). Pessoas que escutam ASMR também disseram sentir arrepios (11%) ou formigamento (14%). Essas sensações que o ASMR despertam nas pessoas podem persistir até 5 minutos depois que o conteúdo acaba.

“Sentir-se relaxado ao ouvir alguém respirando suave ou sussurrando significa que aquela presença próxima e virtual te traz algum tipo de conforto. ASMR pode trazer sentimentos de segurança, proximidade e conexão pessoal”, comenta o Dr. Craig Richard, o fundador da ASMRUniversity.com

As percepções sobre ASMR mudam de país para país. No Brasil, a principal percepção avaliada foi “prazerosa” (29%), já no México foi “intrigante” (20%). Na Alemanha e nos Estados Unidos, os entrevistados escolheram “estranho” como principal percepção (18% e 14% respectivamente), enquanto no Reino Unido e na Irlanda, eles consideraram ASMR “irritante” (20%). Já os franceses consideraram não ter nenhum sentimento sobre o conteúdo de ASMR (19%). Ironicamente, o francês foi o sotaque preferido para o conteúdo de ASMR (21%). Os entrevistados também preferem vozes femininas (45%) a vozes masculinas (18%). Quase um terço (30%) não tem preferência por gênero.

Apesar de todas essas avaliações positivas sobre esse gênero, não são todos que se sentem “zen” ao escutá-lo. Ao ouvir ASMR, 19% se sentiram incomodados ou irritados. Os Baby Boomers (nascidos entre 1945 e 1964) foram os mais propensos a ficarem irritados ao ouvir ASMR (28%), enquanto a Geração Z (nascidos entre 1990 até o início do ano 2010) foi a menos provável (15%).

Uma pequena porcentagem de entrevistados que já consumiram ASMR anteriormente (4%) disseram que “odeiam”. Outros 5% sentiram que “não amaram”, enquanto 31% se sentiram “neutros”. Então, para aqueles que não gostam, é melhor evitar ouvir barulhos de mastigação (53%) e ruídos na boca (43%). Eles foram votados como os ruídos mais desagradáveis para ASMR!

“Os dados confirmam que as pessoas têm uma variedade de respostas e preferências para o conteúdo ASMR. Os gatilhos e as respostas do ASMR são semelhantes aos da oxitocina, geralmente chamada de hormônio do amor. As pessoas podem simplesmente ter diferenças genéticas que influenciam sua resposta à oxitocina. Mesmo fatores como a idade podem ter um impacto. É possível que uma resposta positiva do ASMR desapareça à medida que envelhecemos. Também é possível que os jovens sejam mais propensos a ser introduzidos positivamente ao conteúdo ASMR”, comenta o Dr. Craig Richard.

O estudo também mostra que, daqueles que já consumiram conteúdo de ASMR antes, 14% não são capazes de experimentar qualquer reação física ou emocional ao conteúdo. No entanto, um quarto (25%) é capaz de experimentar uma reação em alguns segundos e outros 37% sentem algo em alguns minutos.

A pesquisa foi realizada com mais de 12 mil pessoas no Brasil, França, Alemanha, Reino Unido, Estados Unidos e México.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link