ZFRFUTRUBBDMPM4W5LMYKUFM7I
Imagem: AP Photo/Eugene Hoshiko

Rejeição do público japonês faz Toyota desistir de campanhas relacionadas às Olimpíadas de Tóquio

Empresa foi uma das primeiras a patrocinar evento e não vai comparecer à cerimônia de abertura

por Pedro Strazza

As Olimpíadas de Tóquio já entraram em contagem regressiva para sua realização, mas a semana não começa bem para o evento. Uma das principais patrocinadoras do evento, a Toyota confirmou nesta segunda (19) que não irá divulgar qualquer campanha relacionada aos Jogos Olímpicos deste ano por conta da rejeição do público japonês. O CEO Akio Toyoda e os principais executivos da fabricante também não irão comparecer à cerimônia de abertura na próxima sexta (23).

A realização da competição está em um ponto bastante crítico no país. Junto de pedidos de especialistas, uma pesquisa recente do jornal Asahi revela que 68% dos 1.444 entrevistados tem dúvidas sobre a competência da organização das Olimpíadas em controlar as infecções do coronavírus, enquanto 55% se diz contra a realização dos jogos neste momento da pandemia. Além do Comitê Olímpico Internacional, a Folha de São Paulo também aponta que a administração do primeiro-ministro Yoshihide Suga desperta desconfiança entre a população, graças ao quarto estado de emergência declarado e suas medidas para evitar a disseminação da doença no país.

A decisão da Toyota, por sua vez, representa em si um golpe gigantesco aos trabalhos do evento, mesmo com a companhia afirmando que deve manter seus compromissos já firmados com o COI e o Comitê Paralímpico Internacional. Além de atual líder de vendas no mundo e de ter firmado acordo com as duas organizações para até 2024, a fabricante foi uma das primeiras empresas no país a patrocinar os Jogos Olímpicos deste ano e fez um investimento de US$ 5,1 bilhões para sua realização.

Enquanto o presidente do COI Thomas Bach segue garantindo que o evento apresenta “zero risco” de contágio aos participantes e visitantes, os casos de Covid-19 entre atletas se multiplicam. Depois do The Guardian apontar em junho que competidores haviam se recusado a tomar a vacina e mesmo assim disputariam suas modalidades, quatro atletas já tiveram infecção pela doença confirmada na Vila Olímpica, incluindo o jogador tcheco de vôlei de praia Ondrej Perusic e três membros da seleção sul-africana de futebol – dois jogadores e um analista de vídeo, no caso.

No caso do primeiro, a possibilidade é alta de que ele e o parceiro David Schweiner percam a primeira partida no dia 26 de julho e sejam eliminados de primeira da competição.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link