Museus na Itália usam câmeras para saber quais são as obras mais apreciadas pelo público

Sistema ShareArt ajudará a melhor distribuir obras em uma exposição, na busca para tornar galerias mais atraentes

por Matheus Fiore

Os museus da Itália querem saber quais obras expostas fazem mais sucesso com seu público, e para isso, decidiu usar a tecnologia para analisar o comportamento de seus visitantes. Foi desenvolvido um sistema que, pelo uso das câmeras, estuda o quanto cada pessoa observa uma obra para identificar quais mais cativam no fim do dia.

Segundo o Bloomberg, o sistema faz uso de câmeras da ENEA que são posicionadas ao lado de cada obra e, ao fim do dia, coleta e analisa os resultados de cada setor do museu para que uma inteligência artificial analise. O sistema, batizado de ShareArt, foi desenvolvido para encontrar novas formas de atrair o público para museus e galerias.

ENEA
ENEA

Com a análise dos resultados, os museus devem reconsiderar a distribuição e organização das coleções. Caso uma obra chame muita atenção do público, mas esteja no fim de uma exposição, ela poderá ser reposicionada para o começo do setor, a fim de tornar a distribuição das peças mais populares um pouco mais equilibrada.

O ShareArt já existe desde 2016, mas só agora começou a ser implementado. Além de notar quais obras se destacam, o sistema também será importante para que pesquisadores estudem como cada obra desperta reações em quem as observa. Algumas estatísticas já surpreendem: na maioria das peças expostas na Itália, a média de observação de um quadro é de apenas quatro ou cinco segundos, com as mais populares chegando a quinze.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link