fbpx

Google usa lançamento do Pixel 6 para discutir fotografia e identidade

Campanha do estúdio T Brand apresenta recurso que captura tons de pele com mais precisão

por Carolina Firmino

Os celulares Pixel 6 e Pixel 6 Pro foram lançados nesta semana no Estados Unidos e são os primeiros a contar com o Tensor, processador desenvolvido pela própria Google. Apesar de não ser um aparelho que costuma ser vendido em outros países, a empresa tem investido na divulgação de um dos recursos que acredita ser o diferencial do produto: estamos falando do “Real Tone”.

Já há algum tempo em desenvolvimento, o “Real Tone” integra os mecanismos de fotografia do Pixel 6 e é capaz de capturar uma ampla gama de tons de pele com mais precisão do que nunca. Isso acompanha a recente atualização dos algoritmos da Google para promover resultados mais racialmente diversificados nas pesquisas de imagens.

O recurso ganhou destaque em uma campanha desenvolvida pelo estúdio de criação T Brand, do The New York Times, que apresenta a ideia de igualdade de imagem. Ao Fast Company, Vida Cornelious, vice-presidente de criação do T Brand disse que a peça foi pensada da perspectiva de que “quanto mais representativa nossa história poderia ter sido, e será no futuro, se formos capazes de registrá-la com precisão?”.

Essa campanha vai trazer dois momentos distintos, um deles estreando nesta sexta-feira (22): o primeiro é o “Picture Progress”, que explora a igualdade de imagem como um caminho para equivaler nossa história visual. Ele analisa como a tecnologia da foto colorida evoluiu, recriando três fotos históricas dos arquivos do The New York Times usando o Real Tone do Pixel 6.

As fotos usam três ativistas BIPOC: o fundador do Black AIDS Institute, Phill Wilson; Dolores Huerta, líder trabalhista mexicana e ativista dos direitos civis, fundadora da Associação Nacional de Trabalhadores Rurais; e a ativista de direitos civis Ruby Bridges.

Já o segundo momento é chamado de “Present to Future”. Ele apresenta os principais fotógrafos do BIPOC, Kennedi Carter, Mengwen Cao e Ricardo Nagaoka, usando o celular para celebrar sua a identidade. Para Cornelious, a ideia do “Real Tone” surgiu do pensamento de que o celular “não é apenas para fazer chamadas, mas uma extensão de quem somos e como podemos ser vistos”.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link