fbpx
spotifyesportes
Imagem: Divulgação

Com produção sobre a morte de Maradona, Spotify solidifica aposta nos podcasts de esporte

Com lançamento global e localizado em seis línguas, Os Últimos Dias de Maradona reforça interesse da plataforma em diversidade e variedade na produção de seus podcasts originais na área

por Pedro Strazza

O Spotify esta semana surpreendeu a muito fã de futebol com o lançamento de Os Últimos Dias de Maradona. Original do serviço, o podcast em seis episódios traz detalhes sobre o momento do falecimento do ídolo argentino em novembro de 2020, com direito a todo tipo de informação proveniente de um true crime – de detalhes da investigação judicial a novas entrevistas com pessoas próximas do jogador.

O diferencial aqui é a escala com a qual estreou-se o novo projeto da casa. Na terça-feira (23) do debute, o podcast saiu na plataforma do Spotify em seis formatos diferentes, contemplando línguas diferentes com narradores localizados e estrelados – enquanto no Brasil o trabalhou ficou encarregado ao jornalista Juca Kfouri, nomes como Thierry Henry, Jorge Valdano e Salvatore Esposito fizeram o mesmo papel em localizações para países como a Inglaterra, a França, a Itália e a Espanha. É o primeiro lançamento global do Spotify Studios, braço da empresa dedicado justamente a criação de conteúdo original (e exclusivo) para o streaming.

Mais importante para a companhia, porém, é que Os Últimos Dias de Maradona também sacramenta o investimento da plataforma na área do esporte, onde se espera grande retorno a partir da diversificação. “Nosso objetivo é ser o principal destino para o que existe de melhor em conteúdo de áudio.” explica o diretor do Spotify Studios na América Latina, Javier Piñol, ao B9; “Nossa combinação única de conteúdo e inovação é o que nos diferencia e refletimos esses valores também em nossas produções de podcast de esporte quando adicionamos um elemento extra”.

Isso se reflete no calendário recente de lançamentos do estúdio. Enquanto o programa dedicado à morte de Maradona é descrito por Piñol como um “podcast de esporte investigativo, com uma pitada de true crime”, só no último trimestre o Spotify estreou e deu continuidade a três projetos brasileiros que buscam escapar de formatos consolidados do meio: o E Se?, com discussões sobre cenários hipotéticos do futebol; o Primeira Rodada, focado no jornalismo esportivo em caráter diário; e o Chute nas Bolas, programa satírico que envolve a encenação de uma rádio fictícia.

“A demanda por maior diversidade em conteúdo de áudio não só no Brasil, mas em todo o mundo, fez com que o podcast ganhasse audiência muito rápido.” diz ainda o executivo sobre esses investimentos. Ele crava que tudo está direcionado no esforço da companhia em manter alimentado seus usuários, mesmo aqueles que não pagam assinatura: “Valorizamos a variedade e a criatividade no espaço do podcast e queremos contribuir com a melhor oferta de conteúdo baseada na diversidade de estilos com nossas produções originais, reforçando nosso compromisso de ser o melhor destino, além de gratuito, para podcasts e, assim, chegar a todos os usuários”.

Piñol ainda declara ao B9 que o Spotify deve continuar essa expansão com novos anúncios em breve, incluindo tantos adaptações de sucessos internacionais como produções locais. “Estamos de olho no crescimento do mercado local, no qual a comunidade de criadores demonstra forte engajamento no formato e no desenvolvimento de conteúdos potentes e criativos” finaliza.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link