E viva a baixa gastronomia!

E viva a baixa gastronomia!

por Luiz Yassuda

Não é preciso ser nenhum gênio para constatar que qualquer tendência gera uma contra-tendência. É Yin e Yang, que contemplam opostos como elementos da plenitude. É quase gerar o caminho do meio dos budistas: nem tão lá, nem tão cá.

E para se opor a glamurização da comida, capitaneada por todos os programas de alta gastronomia do GNT, Alex Atala ícone cultural e restaurantes de preços competitivos que insistem em descrições rebuscadas para seus pratos aparentemente simples, existe o ode à baixa gastronomia, que até já é alvo do glamour em eventos como o Comida de Boteco, Boteco Bohemia, Manifesto da Baixa Gastronomia, entre outros, além dos bares caríssimos com aquela emulação boteco-style.

Minha paixão por baixa gastronomia não é de hoje. Nos idos tempos de 2007, mantivemos por algum tempo o glorioso Vale 9 Conto, um blog-guia criado por estagiários para esfomeados trabalhadores da Berrini economizarem de maneira real o seu suado vale. De alguma maneira, ele fazia muito sentido porque havia* poucos guias que investigaram tão bem uma sorte de restaurantes e botecos meia-boca com comida farta e atendimento especial.

Foi uma época legal, mas até um estagiário ogro aprende com um pouco de dinheiro a mais na conta-corrente e com uma ajuda de amigos amantes de um bom Cabernet-Sauvignon e de queijo Brie que há um mundo bem melhor, ainda que mais caro. Caminho do meio. É o verdadeiro caminho do bem.

De qualquer maneira, é sempre bom ver uma produção legal que enalteça lugares sem grande afetação gourmet, mas que garantem aquele grande conforto interior de uma refeição bem realizada. Vamos ao equilíbrio. Apesar de sensacional, o Larica Total é o extremo oposto ao Jamie Oliver. Estes vídeos do Chef de Segunda, no entanto, contém uma produção bem feita, papos legais com excelentes cozinheiros e de cara já falam de um dos meus lugares favoritos em São Paulo, o Rong He, o Chinês da massa ao vivo.

Vale a pena conferir tudo no tal do site do programa. Acabo de descobrir que ele é também um programa de um canal disponível apenas na TVA.

Espero realmente conhecer lugares novos. Já tenho até uma sugestão de pauta: uma singela homenagem à Dona Hiroko e seu falecido marido, que mantinham o restaurante japonês mais roots da cidade, o Waka. Uma pena que fechou, mas tem fã de sobra nesta Internet (aqui e aqui são apenas exemplos) para um documentário histórico!

Dica dos vídeos foi da @syferrari.

*corrigido

Compartilhe:
icone de linkCopiar link