Google Doodle proclama vida longa ao inesquecível Freddie Mercury

por Amanda de Almeida

Tornar seu logo divertido, surpreendente e curioso criando novas versões dele de tempos em tempos pode soar como uma atitude chocante para muitas empresas. Não para o Google, é claro. É exatamente isso o que eles fazem com o Google Doodle: sempre que há uma data especial  a caminho, uma equipe de designers já começa a pensar no que será feito. Hoje, data em que se comemoraria os 65 anos de Freddie Mercury, o Google Doodle reverencia a vida e a obra de um dos artistas mais incríveis que o mundo já conheceu.

Uma animação de 98 segundos mostra Freddie Mercury passeando pelo universo fantástico criado a partir de suas próprias letras. Se em um momento o cenário é um game das antigas, logo em seguida vemos um dos mais versáteis vocalistas de todos os tempos voando entre tigres ou dividindo a tela com aliens. Tudo ao som de “Don’t Stop Me Now”. O cérebro por trás deste doodle foi Jennifer Hom, que liderou uma equipe de ilustradores durante meses. O trabalho começou com uma pesquisa de todos os álbuns e vídeos do Queen, em busca de referências. E, em um momento Steve Jobs, ela admitiu que ficou obcecada com Freddie Mercury, afetando todos os envolvidos no projeto.

Daí você pergunta: de tantas músicas sensacionais do Queen, muitas delas tão sensacionais quanto “Don’t Stop Me Now”, por que eles escolheram justo esta? Segundo Jennifer, porque esta faz parte da lista dos 10 maiores hits de todos os tempos da banda e, de certa maneira, estar mais em sintonia com a proposta deste doodle. Para quem é fã da banda, é possível encontrar inúmeras referências, com destaque para “Bicycle Race”, “Crazy Little Thing Called Love”, “Flash” e “I Want To Break Free”.

Desde 1999, quando teve início a tradição dos doodles, foram mais de 300 modelos, só nos Estados Unidos, e outros 700, no mundo inteiro – a história completa você encontra aqui. O doodle dedicado a Freddie Mercury é o segundo mais longo. O mais longo de todos também é recente, dedicado a Charlie Chaplin.

 

 

 

Compartilhe: