Cloud Atlas

Cloud Atlas: O épico processo criativo e financeiro enfrentado pelos irmãos Wachowski

por Carlos Merigo

Artigo da New Yorker relata o trabalho dos diretores na adaptação do “infilmável” livro homônimo de David Mitchell

compartilhe

O magnata de Hollywood Samuel Goldwyn, tem uma célebre frase de quatro décadas atrás que diz: “O nome dessa indústria não é show-art. É show-business”. Com o passar do tempo, é um pensamento que faz cada vez mais sentido.

Os grandes estúdios se transformaram em bancos, controlando indústrias criativas em que a independência é quase sempre comprada com um termo em contrato depois de complexas negociações com agentes, sindicatos, produtoras, seguradoras e outros profissionais terceirizados.

E vamos supor que você possa colocar no currículo que um dia escreveu e dirigiu “Matrix”, um filme que arrecadou meio bilhão de dólares, ganhou quatro Oscars e entrou instantaneamente para a cultura pop. Ainda assim, a sua vida não será menos complicada com os banqueiros de criatividade.

Em um excepcional artigo-entrevista em sua edição de setembro, a revista The New Yorker conta o bastidores da produção de “Cloud Atlas”, o novo filme de Lana (antes Larry) e Andy Wachowski, quatro anos depois de decepcionarem com “Speed Racer”.

Os irmãos detalham o épico processo financeiro e criativo que foi adaptar o livro homônimo de David Mitchell – já chamado pelo próprio autor de “infilmável” – em um longa-metragem, junto com Tom Tykwer de “Corra Lola Corra”. São seis diferentes narrativas que se conectam, começando no Pacífico Sul do século 19 até o futuro pós apocalipse nuclear.

Os Wachowski revelam que a Warner Bros. recusou seguidamente financiar o filme, já que o estúdio comparava “Cloud Atlas” com outros conceitos similares que falharam anteriormente no cinema. Um exemplo: O “Fonte da Vida” de Darren Aronofsky, que foi um fracasso de bilheteria.

“O problema da criação artística dirigida pelo mercado, é que os filmes recebem sinal verde baseados em filmes anteriores”, disse Lana. Antes de decidir produzir a trilogia “Matrix”, a Warner recorreu ao insucesso de “Johnny Mnemonic”, também com Keanu Reeves em 1995, como motivo para questionar o potencial da ideia dos Wachowski.

“Assim como a natureza abomina o vácuo, o sistema abomina a originalidade. A originalidade não pode ser modelada economicamente.”

Depois da batalha financeira, vieram os desafios criativos enfrentados pelos irmãos. O livro de David Mitchell tem capítulos em ordem cronológica até a metade, quando a história começa a ser contada em sentido inverso. Segundo Lana, seria impossível introduzir uma história nova depois de 90 minutos de filme.

Tendo “2001: Uma Odisséia no Espaço” de Stanley Kubrick como inspiração, a ideia inicial era estabelecer uma conexão entre as trajetórias de dois personagens, um do início do livro e outro do fim. Porém, eles não faziam ideia do que fazer com as outras narrativas e dezenas de personagens.

Os Wachowski dividiram então o livro em centenas de cenas, copiando os trechos em fichas coloridas e as espalhando pela casa. Cada cor representava um personagem ou período de tempo diferente. Todos os dias eles pegavam cartas em ordens diferentes, para criar novos arcos narrativos e ver se faziam sentido.

Não apenas devido aos intricados detalhes de bastidores, mas a matéria também é imperdível pois se trata de uma rara e extensa aparição dos irmãos Wachowsky depois de mais de 13 anos evitando a imprensa. Além do trabalho, “Beyond The Matrix” mostra também um pouco do lado pessoal dos diretores, especialmente sobre a mudança de sexo de Larry/Lana, e como isso impactou a carreira de ambos.

“Cloud Atlas” fará sua estreia mundial no Festival de Toronto em 6 de setembro, depois chega aos cinemas em 26 de outubro. No Brasil, o filme ganhou o título “A Viagem” (o.O). O trailer estendido abaixo deu início a campanha de promoção do filme, o que fez disparar as vendas do livro em que é baseado.

Bom ou ruim, “Cloud Atlas” vai ser uma experiência cinematográfica imperdível.

Compartilhe: