Visitas a sites de notícia via Facebook costumam durar menos que as vindas de buscas

Visitas a sites de notícia via Facebook costumam durar menos que as vindas de buscas

O leitor fiel, que acessa o site diretamente, gasta muito mais tempo navegando que o leitor social

por Jacqueline Lafloufa

Apesar dos novos leitores que as redes sociais trazem aos sites de notícias, a verdade é que o leitor fiel ainda é o que mais investe tempo na navegação. É o que diz uma pesquisa da Pew Research, que analisou o tráfego para 26 dos mais populares portais de notícias dos EUA.

Em média, os leitores que digitavam a URL do site ou tinham uma determinada publicação favoritada no seu navegador passavam 4 minutos e 36 segundos em sites de notícias. Já quem vinha dos mecanismos de busca costumava investir 1 minuto e 42 segundos, e os que haviam clicado em links compartilhados pelo Facebook gastavam apenas 1 minuto e 41 segundos em suas visitas.

referal-sites-facebook-search-engines-direct

O curioso é que esse tipo de comportamento acontecia também em sites com uma pegada mais social, como o BuzzFeed – as visitas vindas do Facebook continuavam difíceis de serem retidas por mais tempo ou para outros conteúdos do site. Curiosamente, quanto mais tempo as pessoas passavam no BuzzFeed, maior era a tendência de compartilharem o conteúdo, revelou o CEO Jonah Peretti.

jonah-peretti-sharing-buzzfeed

“O Facebook e as buscas são importantíssimas para trazer novos visitantes para histórias específicas, e isso eles fazem bem. Mas esses visitantes sociais vindos do Facebook não criam uma conexão com a publicação”, explica o estudo. A Pew Research destaca ainda que talvez a maior importância do acesso social seja ajudar a desenvolver uma nova base de leitores, que possam pensar naquela publicação quando quiserem buscar conteúdos similares – e aí sim digitarem a URL e investirem mais tempo na leitura. Será?

Um ponto a ser destacado é que a análise da Pew Research, que usou dados da comScore, não incluiu informações de tráfego a partir de dispositivos móveis, considerando apenas acesso via notebooks e desktops por um período de três meses. Quem sabe, com a chegada dos dados de acessos via tablets e smartphones, a situação melhore um pouquinho para as publicações online.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link