SXSW 2017: Os grandes conglomerados e a nova cartilha da inovação

Os princípios básicos estimular a criatividade dentro de grandes empresas

por Juliana Vilhena Nascimento / Head de Atendimento na R/GA

Entre ontem e hoje, vi três representantes de grandes conglomerados falar sobre a importância da inovação e como suas empresas estão se estruturando pra de alguma forma exercitar a “destruição criativa” sobre os seus negócios.

Beth Comstock e Bill Ford (respectivamente a vice-chairman da GE e o tataraneto do Henry Ford) foram absolutamente definitivos sobre o fim dos rumos de seus negócios se eles não destinarem recursos, foco e tempo à inovação. E Will Roper, líder do SCO (Strategic Capabilities Office do Pentágono), veio contar como está usando o seu orçamento de USD 1 Bi e seu time de 50 pessoas pra tentar ser mais eficiente em deter ou ganhar guerras.

O mais interessante: ver que conglomerados em indústrias tão diferentes (bens duráveis B2C, Serviços B2B e Defesa) estão utilizando uma abordagem comum para estimular e escalar inovação em suas organizações. Os princípios básicos não são nenhuma ciência de foguete – mas valem ser recapitulados:

1. Endosso e foco do mais alto nível da companhia.
Gera senso de urgência, prioriza a iniciativa e a lastreia estratégica e financeiramente.

2. Separação do time que está repensando o negócio do que entrega “o leitinho das crianças”. Assim se mantém o foco, a velocidade, e se reduzem os entraves burocráticos.

3. Parcerias: esta foi a grande surpresa (ao menos pra mim) das 3 listas. Todos os palestrantes foram unânimes ao reconhecer que hoje ninguém inova sozinho e quem quer ir mais longe, vai em grupo.

Vale parceria de todo tipo: com o governo, com startups existentes pra desenvolver algo externamente, com incubadoras e fundos de venture capital, ou fundear uma ideia existente, também.

A outra coisa interessante: todos eles, cada um à sua maneira, comentaram como o papel do CEO hoje é muito mais o de conectar o presente e o futuro (e viabilizar este último, naturalmente). Pra isso, ele precisa ser um profundo conhecedor do seu negócio hoje, um curioso sobre o amanhã e um ótimo articulador de visões, idéias e pessoas.

Esse conteúdo é oferecimento da Apex-Brasil, que divulgará durante o SXSW 2017 a campanha Be Brasil, uma narrativa envolvente que promove um Brasil confiável, inovador, criativo e estratégico no mundo dos negócios. Saiba mais em www.bebrasil.com.br/pt

Compartilhe: