Snapchat cria ferramenta que transmite eventos ao vivo à partir de snaps

CrowdSurf edita clipes feitos pelos usuários e os ordena em linha cronológica

por Pedro Strazza

O principal atrativo do Snapchat enquanto aplicativo foi sempre o de oferecer ao seu usuário a possibilidade de registrar um momento de sua vida sem a necessidade implícita de preservá-lo para a posterioridade. Suas fotos e vídeos de menos de um minuto abriram aos Millennials um canal genuíno de expressão, tornando a plataforma sua rede social principal e favorita na hora de relatar as suas histórias diárias no meio digital.

A ideia deu tão certo que logo outras empresas – como o Google, o Tinder e, claro, o Facebook – começaram a implementar a proposta e as soluções de layout do Snapchat em suas próprias redes sociais, o que por sua vez fez com que os números de crescimento de usuários do aplicativo estagnassem. Restou à empresa criada por Evan Spiegel, Bobby Murphy e Reggie Brown então a dura tarefa de reinventar seu produto para manter-se vivo no mercado, tentando não desfigurá-lo no processo.

Um dos focos dessas medidas de renovação está no Snapchat Stories, ferramenta que agrupa vários snaps dos usuários feitos em um mesmo grande evento – como um show ou um jogo de futebol – para fazer uma espécie de registro geral daquele acontecimento. É uma proposta muito boa, mas que esbarra em um problema básico: por não conseguir criar uma linha cronológica à partir da passagem do tempo na realidade, a aplicação soa desconexa e cheia de furos, transmitindo apenas alguns momentos muito isolados que juntos significam absolutamente nada.

É pensando nessa questão que o Snapchat agora está testando uma nova funcionalidade chamada CrowdSurf, que busca recriar estes grandes eventos no aplicativo à partir dos snaps feitos pelos usuários. Inaugurada no último dia 13 durante um show da cantora neozelandesa Lorde em um festival em São Francisco, a ferramenta pinça registros específicos de usuários para “filmar” o evento, como uma transmissão televisiva feita à partir de várias e várias câmeras na mão. O resultado é promissor: ainda que os vídeos tremidos se proliferem, é possível assistir parte do show de Lorde sem interrupções – confira no vídeo abaixo.

O CrowdSurf pode parecer algo simples, mas tem uma execução complexa. No caso do show da Lorde, a ferramenta construiu a faixa à partir de diferentes snaps de usuários presentes no show que estivessem bem posicionados em relação aos alto-falantes, usando de um espectrógrafo para identificar a trilha em meio a todos os clipes produzidos, filtrando e casando áudios para conceber uma estética de som maior. Tudo isso feito em menos de um minuto, já que o aplicativo tem uma reputação de rede social “que vive o momento” a zelar.

A tecnologia por trás do CrowdSurf serve ao aplicativo como um passo natural na evolução de suas funções. Aliado ao mapa recentemente disponibilizado na plataforma que permite aos usuários explorar diversos acontecimentos no mundo, ele potencializa os usos do Snapchat como ferramenta de hard news, criando uma narrativa dos fatos a ser construída pelos próprios snapchatters que os testemunham ao vivo.

Compartilhe: