CulturaTech

Vem aí: o primeiro álbum composto inteiramente com inteligência artificial

Americana Taryn Southern conta como está sendo compor com robôs

por Gessica Borges

Uma famosa youtuber americana, Taryn Southern, está usando plataformas de inteligência artificial para criar um álbum inteiro, chamado “I AM AI”. É o primeiro disco a ser inteiramente composto e produzido com AI.

Para criação de uma das faixas do álbum, “Break Free”, a artista usou uma plataforma de AI de código aberto chamada Amper Music. Taryn diz que o processo de criação não é inteiramente computadorizado, afinal, ela ainda é responsável por criar as bases instrumentais para a música, só que dessa vez em uma plataforma digital.

A maneira como [a Amper] funciona é dar à plataforma alguns elementos como BPM (batidas por minuto), instrumentações que eu gosto, gêneros e etc. Então a plataforma solta uma canção, e eu renovo a música a partir daí, fazendo ajustes instrumentais e de clave, por exemplo. (…) Uma vez que tenho isso, posso construir a real estrutura da música.”

Taryn também explica que o programa é ótimo em compor e produzir a parte instrumental das músicas, mas ainda não entende muito bem estruturas. Assim, com um verso ou refrão composto pelos robôs, cabe à artista juntar as peças e escrever a melodia vocal e a letra a fim de originar um produto parecido ao que estamos acostumados a ouvir.

Humanos para quê?

Questionada sobre como poderia comparar este processo a uma composição e produção tradicional, Taryn diz que para compositores como ela, que não tocam muitos instrumentos, o processo de trabalhar com máquinas pode ser libertador. “Você não precisa de nenhum conhecimento de instrumentação para fazer uma ótima música – você só precisa ter bons ouvidos.”. É claro que algum conhecimento de estrutura musical ainda é necessário, mas o que a artista quer dizer é que pelo menos, com máquinas, ela tem o controle total de suas composições e pula a parte que pode ser frustrante da criação, por exemplo o alinhamento perfeito com um produtor, para chegar em um produto final que agradasse a artista.

Da mesma forma que os samples mudaram a história do Hip Hop, parece que a inteligência artificial está aí para trazer uma nova perspectiva à música que estamos habituados. Apesar que, com a variedade tão ampla de ritmos, bandas, estilos e etc. que temos hoje, o desafio vai ser conseguir diferenciar uma produção humana da de um andróide.

Você pode ver e ouvir o single “Break Free” no player abaixo: