Facebook começa a testar assinaturas para Artigos Instantâneos no Android

Iniciativa pega carona na série de ações da rede social para agradar os publishers

por Agnes Guimarães Cruz

Durante as próximas semanas, o Facebook estará testando modelos de assinaturas de notícias para Artigos Instantâneos acessados pelo Android nos Estados Unidos e na Europa. A ação é uma sequência das tentativas da empresa em valorizar o compartilhamento de conteúdo em suas redes sociais. Em julho, o Facebook já havia anunciado que permitiria a oferta de serviço pago para Artigos Instantâneos, e no mês seguinte, houve a confirmação de que isso aconteceria por assinaturas.

Entre os sites produtores de conteúdo, há nomes de peso como The Economist, The Boston Globe e Washington Post. Dois modelos estão sob comparação: um que permite a leitura gratuita de 10 artigos antes que a assinatura seja necessária, e uma versão “freemium”, que permite que os editores escolham quais são os artigos gratuitos e quais são aqueles que necessitam de um pagamento. Quando alguém decide fazer uma assinatura, o Facebook avisa que o site responsável pelo conteúdo será o responsável pela transação financeira e vai ficar com 100% do retorno financeiro.

A experiência está sendo realizada apenas no Android graças às regras da Apple sobre assinaturas, exigindo mais de 30% do que é gerado pelas vendas ocorridas em aplicativos. No caso do Facebook, apesar das assinaturas acontecerem fora do aplicativo, ainda entraria nas regras da Apple já que a empresa de Zuckemberg ainda seria a mediadora das transações.

Quando os Artigos Instantâneos foram anunciados pelo Facebook em 2015, muitos editores olharam a iniciativa com receio, pois o formato proporcionaria menos receita (já que traz menos anúncios e mantém os leitores na rede social ao invés de migrarem sua leitura para o site do editor). Mas aos poucos, a ideia começou a ser mais aceita, à medida que o carregamento mais rápido pelo aplicativo e a distribuição no News Feed do Facebook começaram a ser vistas como vantagens que valeriam a pena abdicar da publicidade.

Compartilhe: