Drones são os grandes protagonistas do primeiro comercial da Budweiser para a Copa do Mundo 2018

Drones são os grandes protagonistas do primeiro comercial da Budweiser para a Copa do Mundo 2018

Comercial é um dos mais ambiciosos em termos de investimento e alcance global, mas não será transmitido nos Estados Unidos

por Pedro Strazza

Faltam apenas algumas semanas para que a edição 2018 da Copa do Mundo comece a acontecer na Rússia, mas grande parte das patrocinadoras oficiais do evento promovido pela FIFA já estão se movimentando para divulgar suas marcas naquele que é a maior competição de futebol do planeta. Enquanto milhares de pessoas procuram completar o álbum da Copa (incluindo Bruna Marquezine), empresas como o McDonald’s, a Brahma, a Hyundai e a Coca-Cola já estão se mobilizando para atrelar seus produtos ao torneio, lançando comerciais e promoções que impulsionem seus lucros durante a realização dos jogos.

Quem também começou os trabalhos agora é a Budweiser, marca de cerveja oficial da Copa do Mundo. Depois de anunciar a realização do Bud Basement (que vai rolar em dez cidades brasileiras), a empresa lançou o comercial que dá o pontapé inicial para sua campanha no evento. A parte interessante do merchan são os protagonistas, que ao invés de serem celebridades ou jogadores de futebol são “apenas” milhares de drones carregando cervejas – incluindo um bem atrapalhado que se perde no meio do longo caminho para Moscou, na Rússia. Confira a peça acima.

Criado pela Anomaly New York, o vídeo de quase dois minutos é descrito pela agência como um dos maiores da História em termos de alcance e investimento já que será veiculado em mais de 50 países, incluindo Brasil, China, Índia, Reino Unido e Rússia, além de nações em que a marca recentemente entrou no mercado como a Colômbia, a África do Sul e a Nigéria. Curiosamente, os Estados Unidos é um dos territórios onde o comercial não será exibido, mas há um motivo bem válido para que isso não aconteça: com o time do país fora da Copa, a Budweiser está um pouco temerosa de investir na região dado a redução drástica de interesse do público americano pelo evento.

O “problema americano” é uma questão que todas as marcas encaram no momento na construção de suas campanhas para a Copa do Mundo, já que a seleção nacional surpreendeu ao ficar de fora do torneio pela primeira vez desde 1986. A Fox Sports, por exemplo, decidiu fazer uma campanha “Torça por suas origens” para encorajar a audiência estadunidense a se engajar com o torneio e tentar obter algum lucro com os direitos de transmissão do evento, que foram adquiridos com exclusividade e por um alto preço.

No caso da Bud, a resolução final foi de incluir a terra do Tio Sam nos trabalhos da divulgação (a cidade natal da empresa, St. Louis, aparece na peça), mas não gastar muito com publicidade no país. “Os Estados Unidos continuam a ser um mercado importante para a gente – é o nosso mercado de casa. Mas a campanha da Copa do Mundo será muito limitada por aqui.” afirmou o vice-presidente de marketing global da marca Brian Perkis na divulgação do vídeo à imprensa.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link