Cannes Lions 2018: O que eu poderia ter em comum com David Droga?

Como não deixar a propaganda morrer

por Gabriel Cardoso / Gerente de Mídia da Dentsu Brasil

Dizem que a primeira visita a Cannes você nunca esquece. A minha não poderia ser diferente. O que parece é que todas as pessoas estão aqui com um único objetivo: se inspirar! O clima é leve e o verão europeu com certeza ajuda a entrarmos nesse mood.

Ontem chegando no Palais, escolhi como minha primeira palestra a do David Droga. Nos primeiros cinco minutos vi que muita coisa em comum com ele. Talvez por quê ele é Australiano, morei lá por algum tempo e adoraria voltar? Ou que assim, como eu, ele entende que as pessoas “normais”, ou melhor os “não publicitários”, detestam comerciais fora de um momento oportuno/fora de hora. Aqui, então, que entra a mídia, procurando o melhor jeito de impactar o target, buscando inovação e experiências ao invés do bom e velho 30” na Globo.

O nome da palestra dele era “I’m not sure I’m right but who is?”, e a mensagem principal que eu extraí se resume em uma frase muito marcante: “pessoas precisam saber quem são, muito mais do que quererem ser”. E para chegar lá, seja integro, tenha uma meta e canalize todas suas energias para que isso aconteça. Quando levamos esse aprendizado para dentro de casa entendemos que podemos fazer e propor muito mais! Como o próprio David afirmou, dessa forma não deixaremos a propaganda morrer. As propagandas ruins e fora de hora que serão extintas.

Bora se inspirar e inovar!

Compartilhe: