Reino Unido confirma que a campanha do Brexit violou leis, inclusive nas redes sociais

Escândalo do Facebook com a Cambridge Analytica está ligado ao referendo

por Soraia Alves

A Comissão Eleitoral do Reino Unido publicou os resultados de uma investigação de quase nove meses sobre os gastos do referendo Brexit. Os documentos mostram que campanha da Vote Leave infringiu os limites de gastos da campanha eleitoral.

A organização chegou a canalizar dinheiro para uma empresa de dados canadense, a AggregateIQ, para segmentar propagandas políticas no Facebook, por meio de trabalho conjunto não declarado com outra campanha da Brexit, a BeLeave.

Além de exceder o limite de gastos, o papel das redes sociais no resultado do Brexit também é questionado, embora a investigação tenha focado no caráter financeiro, segundo membros do conselho, como Nigel Farage, “sem o Facebook e outras formas de mídia social não há como Brexit, Trump ou as eleições italianas terem acontecido”.

O escândalo do Facebook com a Cambridge Analytica está ligado ao referendo Brexit via AggregateIQ, já que a empresa também era um contratado da Cambridge Analytica, e também lidou com informações de usuários do Facebook que a CA obteve indevidamente.

A Comissão Eleitoral afirma que as evidências do Facebook indicam que o AggregateIQ usou “listas de segmentação idênticas para os anúncios Vote Leave e BeLeave”, embora pelo menos em um caso os anúncios BeLeave “não tenham sido executados”.

O grupo britânico foi multado em 61 mil libras, aproximadamente R$ 311,1 mil, e o caso foi encaminhado à polícia pela Comissão Eleitoral.

Compartilhe: