Sinal de avanço? Paramount demite importante executiva após funcionários reportarem comentários racistas

Presidente da Paramount Television foi denunciada internamente por fazer generalizações ofensivas a mulheres negras

por Pedro Strazza

Em um mundo pós-Weinstein, vem sendo um exercício interessante observar como Hollywood vai mudar seu modo de conduta para evitar que novos casos criminais explodam no colo dos estúdios e das empresas que o rodeiam. Se há o medo constante de que a indústria não vá aprender a lição e o assédio continue a persistir nas relações entre os poderosos e seus clientes e trabalhadores mais vulneráveis, alguns casos chegam para mostrar que o futuro do cinema estadunidense e seu operariado talvez não seja tão pessimista assim.

Veja por exemplo a Paramount, que acaba de demitir uma de suas principais executivas depois de várias denúncias terem sido feitos contra ela por seus funcionários. Na última quinta-feita (19), o CEO do estúdio Jim Gianopulos emitiu um comunicado geral anunciando que a presidente da Paramount Television, Amy Powell, havia sido demitida depois que “múltiplos indivíduos” alertaram a direção sobre comentários preconceituosos que ela vinha fazendo repetidamente no comando da subsidiária. “Tendo conduzido nos últimos dias uma investigação completa sobre o assunto e realizado uma entrevista com todas as testemunhas presentes, nossos departamentos de Recursos Humanos e Direito chegaram à mesma conclusão, e nós tomamos a decisão de encerrar o contrato com Amy com efeito imediato” diz o chefão da empresa no memorando.

De acordo com fontes do The Hollywood Reporter, os comentários inapropriados feitos por Powell teriam envolvido generalizações sobre mulheres negras e um palavrado preconceituoso, em especial durante a produção do reboot televisivo de “First Wives Club” que a Paramount Network vem desenvolvendo nos últimos meses – programa que, além de ser escrito pela coroteirista da bem-sucedida comédia “Viagem das Garotas” Tracy Oliver, terá um elenco predominantemente negro.

Além do fato destas ocorrências e denúncias terem sido mantidas dentro do ambiente de trabalho do estúdio, o que impressiona neste caso é o perfil da executiva que foi derrubada no processo. Anunciada no cargo em 2013, Powell vinha comandando uma ascensão notável da divisão de televisão, emplacando sucessos como as séries “13 Reasons Why” e “The Alienist” em parcerias com emissoras e conquistado a primeira indicação ao Emmy da História da Paramount Television com “Grease Live”. A presidente também já tinha projetos promissores engatilhados, como o seriado baseado em “Ardil 22” – que será comandada e produzida por George Clooney – e a nova versão de “Jack Ryan”, e tinha até sido cotada para assumir a Amazon Studios em determinado momento de sua trajetória.

Em declaração emitida por seu relações públicas, Powell nega as acusações em torno de sua demissão e afirma que “Os fatos serão revelados e eu serei vindicada”. Com ela fora do cargo, quem assume interinamente a função na Paramount enquanto o sucessor não é definido são o COO Andrew Gumpert e os presidentes Mireille Soria (Paramount Animation), Brian Robbins (Paramount Players) e Wyck Godfrey (Paramount Motion Picture Group).

Compartilhe: