Clicky

“American Gods” afasta novo showrunner da produção da 2° temporada

“American Gods” afasta novo showrunner da produção da 2° temporada

Escolhido em fevereiro para substituir Bryan Fuller e Michael Green, Jesse Alexander não está mais envolvido em qualquer aspecto da produção dos novos episódios do programa

por Pedro Strazza

A vida de “American Gods” não anda nada fácil desde o fim de sua primeira temporada. Produzida pela Fremantle e a grande aposta do canal Starz para um conteúdo de “prestígio”, a série baseada no celebrado livro de Neil Gaiman estreou no ano passado sob elogios da imprensa e do público, mas depois de encerrar os trabalhos do debute foi pega por um tornado de problemas, que envolveram não só a demissão dos showrunners Bryan Fuller e Michael Green como a saída da atriz Gillian Anderson do elenco.

A situação parecia estar mais ou menos resolvida depois que a Fremantle contratou Jesse Alexander em fevereiro para substituir Fuller e Green no comando do programa e a produção da segunda temporada foi organizada, mas aparentemente esta situação em si acaba de ganhar uma reviravolta bizarra: o novo showrunner foi afastado pelo estúdio da produção e não está mais envolvido em nenhum aspecto do seriado – mas veja bem, ele não foi demitido oficialmente.

De acordo com fontes do The Hollywood Reporter, a produtora solicitou a Alexander que ele não participe da montagem dos episódios, das atividades do set de filmagem ou de qualquer outra área da produção da temporada, além de ter tido todos os seus rascunhos para o último episódio da leva descartadas tanto pelo estúdio quanto pela emissora. A situação do executivo dentro da série é descrita por um dos entrevistados pelo jornal como “demitido mas não demitido”, gerada pelo medo da Fremantle em atrair todo tipo de má publicidade oriunda da notícia de que a série estaria se livrando de seu segundo showrunner antes mesmo do lançamento do segundo ano.

Não bastasse o afastamento confuso de seu comandante, a produção de “American Gods” também encontra-se atualmente num verdadeiro caos. Com as filmagens interrompidas e seis semanas atrasadas, múltiplas fontes afirmam que conflitos preocupantes estão acontecendo entre a Fremantle e a Starz e que Gaiman estaria buscando meios de garantir controle sobre os caminhos do seriado. Vários membros do elenco estariam reescrevendo suas falas graças à ausência de um roteiro para o último episódio da temporada, e os gastos do estúdio com o seriado estão fora de controle.

Esta questão financeira não deixa de ser um tanto irônica, dado que foi justo por conta de um problema na negociação do orçamento para o segundo ano que Fuller e Green foram expulsos do seriado. Depois de demitir a dupla do comando, a Fremantle descartou os primeiros seis episódios que eles haviam escrito para o segundo ano e começou do zero o processo com Alexander, auxiliados por uma supervisão criativa mais direta de Gaiman – o executivo funcionaria como um “chefe do dia-a-dia”, enquanto o escritor viria garantir a integridade do todo.

Tudo começou a dar errado, porém, quando Gaiman começou a dar maior atenção a “Good Omens” – a minissérie baseada em outro livro seu que a Amazon e a própria Fremantle estão realizando – e Stefanie Burk, produtora executiva que segundo muitos era responsável pela harmonia entre as duas empresas, deixou o estúdio para integrar a equipe da Film Nation. Enquanto o novo showrunner se provou uma escolha frustrante para a Starz por conduzir o seriado de maneira bastante convencional – algo feito à pedido de Gaiman, que aparentemente não gostava da direção extrovertida de Fuller e Green -, os atores começaram a tomar posse dos roteiros e mudar a seu bel prazer, o que forçou a produção a promover o ator Orlando Jones à posição de roteirista de “American Gods” para evitar que a série entrasse em conflito com as normas da Associação de Roteiristas da América (a WGA).

Não bastasse tudo isso, a produção tentou promover um dos roteiristas do programa ao cargo de showrunner, mas o escolhido pelo visto deixou o projeto pouco depois da notícia. No momento, quem está segurando a responsabilidade da série enquanto a procura por um novo nome é o diretor de produção Chris Byrne e a line producer Lisa Kussner.

O objetivo da Starz é lançar “American Gods” em algum momento de 2019, mas em meio a todo este drama é difícil ter esperança de que a série sobreviva ao próprio desmonte.

Compartilhe: