Supermercado da Alemanha esvazia prateleiras em ação contra racismo e xenofobia

Suas compras seriam bem sem graça sem produtos estrangeiros

por Rafael Merel

Você pode não conhecer o supermercado alemão Edeka, mas com certeza já deve ter ouvido falar das suas campanhas. Da morte em pleno Natal passando por uma cidade onde todos são obesos, dá para dizer que, no mínimo, não são muito convencionais.

Pois agora eles resolveram mexer no vespeiro da vez: imigração e xenofobia.

Em tempos em que nem o Presidente dos Estados Unidos consegue se posicionar claramente sobre supremacistas brancos, neo nazistas e a Ku Klux Kan, coube a este supermercado alemão tomar a palavra.

Imagine chegar em Hamburgo e encontrar as prateleiras vazias como se estivesse na Venezuela. Pois foi exatamente isso que eles fizeram retirando todos os produtos estrangeiros da loja. Tornaram a escassez uma visão incômoda. O vazio servindo de moldura para uma declaração sobre racismo e diversidade étnica:

“Esta prateleira fica muito chata sem variedade” e “Tão vazio é um lugar sem estrangeiros”, diziam alguns dos cartazes.

A imigração é um assunto recorrente na Alemanha desde que, em 2015, a chanceler Angela Merkel decidiu abrir as portas para mais de um milhão de refugiados, muitos vindos da Síria, devastada pela guerra

Segundo um porta-voz da empresa, “Edeka significa variedade e diversidade. Em nossas lojas, vendemos inúmeros alimentos que são produzidos nas várias regiões da Alemanha. Mas é junto com produtos de outros países que criamos a diversidade única que nossos clientes valorizam”.

Num mundo cada vez mais desgovernado, qualquer ação que busque o entendimento é bem-vinda. Mesmo que ela tenha que vir de um supermercado.

Compartilhe: