O Carlton de “Um Maluco no Pedaço” está processando “Fortnite” por roubar sua dancinha

Alfonso Ribeiro também está processando a 2K pelo uso indevido de seu gingado na série de jogos de basquete

por Pedro Strazza

“Fortnite” dominou o mercado de games com uma jogabilidade que mistura battle royale com jogos de tiro em primeira pessoa e de construção em mundo aberto, mas ele também “encantou” sua audiência com as dancinhas que oferece quando para comemorar uma vitória ou fazer troça do inimigo derrotado. A habilidade virou uma mania tão grande entre os jogadores que saiu das telas dos games para atingir a realidade – quem não lembra, por exemplo, da comemoração que Antoine Griezzman fez ao marcar seu gol na última final da Copa do Mundo?

Mas enquanto suas celebrações se disseminam pelo mundo (e quase alcançam outros jogos), “Fortnite” também deve entrar em breve na corte americana. Isso porque o ator Alfonso Ribeiro entrou na justiça dos Estados Unidos com um processo contra o jogo e sua produtora, a Epic, por replicar sua icônica dancinha na série “Um Maluco no Pedaço” sem pedir sua autorização antes.

A dança que Ribeiro alega que a Epic copiou, no caso, é aquela que consagrou seu personagem Carlton na série estrelada por Will Smith nos anos 90. O gingado dos movimentos do “balé” são talvez o grande legado da produção, gerando explosões de views e likes onde quer que seja exibido nas redes sociais hoje.

Em Fortnite, enquanto isso, a dança de Carlton existe como opção de celebração desde o seu anúncio no fim de 2017, quando foi adicionada ao extenso catálogo de movimentos com a denominação “Fresh”. É uma homenagem que pode ser muito bem vista como “plágio” descarado – um julgamento que foi feito por Ribeiro, como tudo indica.

O processo judicial do ator, porém, não é de todo inocente como aparenta ser. De acordo com o TMZ, Ribeiro no momento tenta obter os direitos sobre a dancinha de Carlton e, para isso, precisa garantir que a imagem de seus “dance moves” seja preservada: simultaneamente à Epic ele também está processando a 2K, estúdio que incluiu a performance como celebração em sua série “NBA 2K”.

“A Epic arrecadou recordes de lucros à partir de um conteúdo disponibilizado por download no jogo [“Fortnite”] que inclui entre outros o emote ‘Fresh’. Ainda assim a Epic não deu compensação ou sequer pediu permissão ao senhor Ribeiro por uso de sua amável e icônica propriedade intelectual” afirma David Hecht, advogado da Pierce Bainbridge Beck Price & Hecht que representa o ator no caso.

Embora a 2K e a Epic estejam na mira de Ribeiro, fica a questão sobre qual é o tamanho da disposição da celebridade para “resgatar os direitos” de sua dança dentro da cultura pop. Afinal, Carlton e sua ginga estão disseminados no conteúdo de tantas obras ao longo dos últimos 30 anos que fica difícil saber a quantidade de produtoras que o ator terá que processar para “ter paz” sobre o destino de seus movimentos.

Compartilhe: