Depois de anunciar boicote à Nike, loja de artigos esportivos nos EUA declara falência

Prime Time Sports não conseguiu manter o negócio funcionando após se recusar a vender produtos da marca, em protesto à campanha estrelada por Colin Kaepernick

por Pedro Strazza

Há pouco mais de cinco meses, a Nike colocou nas ruas uma campanha que celebrava os 30 anos do icônico slogan “Just Do It” com Colin Kaepernick de garoto-propaganda. E embora a ação tenha sido considerada por muitos especialistas (incluindo os do B9) como uma das melhores peças publicitárias de 2018, a campanha gerou discórdia entre os americanos por conta do mote da escolha do jogador da NFL para a peça: Kaepernick, afinal, foi praticamente ostracizado da liga de futebol americano depois de começar a se ajoelhar durante a execução do hino nacional nos jogos, em protesto às injustiças sociais e raciais do país.

A polêmica deu muito certo para a Nike, mesmo com muita gente declarando publicamente que nunca mais compraria produtos da marca e até mesmo queimando seus itens da empresa em resposta ao suposto “desaforo” cometido pela fabricante. Mas houve quem fosse ainda mais drástico nas medidas contra a Nike como a Prime Time Sports, uma pequena loja esportiva do Colorado que em meio ao caos da campanha declarou que boicotaria a marca parando de vender seus itens nas dependências de seu estabelecimento.

Em um post publicado em sua conta no Facebook, o dono do estabelecimento Stephen Martin justificou a decisão na época – que foi acompanhada de uma promoção “tudo da Nike pela metade do preço” – afirmando que a ideia da marca apoiar o jogador ia contra sua crença de “honrar a bandeira” e que, seguindo a atitude da própria empresa, ele lutaria por suas crenças mesmo que elas fossem pedir dele todo o sacrifício. A questão da bandeira, no caso, se relacionava com o ato de Kaepernick nos jogos, que vinham ofendendo torcedores mais conservadores por (segundos eles) desrespeitar a memória dos milhares de veteranos perdidos na guerra.

O tiro, porém, saiu pela culatra. No último dia 11 de fevereiro, o próprio Martin voltou a escrever no Facebook para anunciar que sua loja estava fechando as portas depois de 21 anos. Se há cinco meses a vitrine se via tomada por um “Memorial da Bandeira” improvisado com inúmeras fotos de soldados falecidos, agora o estabelecimento se vê tomado por placas avisando que está tudo com 40% de desconto para ajudar a esvaziar o estoque.

Os motivos são óbvios e mesmo o dono, em declarações feitas em setembro, já tinha consciência disso: sem os produtos da Nike, a Prime Time Sports perdeu uma porção significativa de seus negócios. “Ter uma loja de esportes sem a Nike é tipo criar uma loja de leite sem leite ou um posto de gasolina sem gasolina. Como você faz? Eles tem o monopólio de camisetas” declarou o dono agora à KOAA News, ao qual também comentou que “Por mais que eu odeie admitir isso, talvez existam mais apoiadores de Brandon Marshall e Colin Kaepernick que eu acreditava existir”.

Brandon Marshall, no caso, é outro jogador que em 2016 decidiu apoiar Kaepernick no ato de se ajoelhar durante o hino americano na NFL, mas no caso de Martin e da Prime Time Sports com ele a situação foi mais pessoal: a loja chegou a cancelar a sua vinda para uma tarde de autógrafos em protesto à sua decisão de protesto.

De acordo com o dono, a Prime Time Sports permanecerá aberta até que todos os itens sejam vendidos, o que ele prevê acontecer até o fim deste mês. Martin afirma que agora está procurando ajudar os antigos empregados a conseguirem novos empregos no mercado.

Compartilhe: