Primeira voz virtual sem gênero quer ser adotada por empresas como Amazon

Chamada de "Q", a voz é composta pela variação de cinco vozes que se identificam como nem masculinas nem femininas

por Soraia Alves

A Virtue, agência criativa da Vice, em parceria com a Copenhagen Pride, criou a primeira voz virtual do mundo sem gênero, ou seja, que não é uma voz nem feminina, nem masculina.

Chamada de Q, a voz é composta pela variação de cinco vozes que se identificam como nem masculinas nem femininas. As variações são então ajustadas para se adequar a uma gama de campos neutros em termos de gênero.

A iniciativa quer ajudar a acabar com o preconceito de gênero e chamar a atenção de empresas que já possuem assistentes virtuais, como Amazon, Apple e Google: “Nosso objetivo é chamar a atenção das principais empresas tecnológicas que trabalham com inteligência artificial para garantir que elas estão conscientes de que uma normatividade binária de gênero exclui muitas pessoas, e para inspirá-las mostrando como seria fácil reconhecer que existem mais de dois gêneros na hora de desenvolver seus dispositivos de inteligência artificial”, diz Thomas Rasmussen, chefe de comunicação do Copenhagen Pride, em comunicado de imprensa.

Por enquanto, a criação é considerada apenas uma voz, já que ainda não foi interligada a nenhuma inteligência artificial e, por isso, não atende a qualquer solicitação, nem executa tarefas.

Compartilhe: