Novo sistema de inteligência artificial cria vídeos falsos com apenas uma foto

Artigo novas tecnologias que vão além das capacidades de reprodução do deepfake

por Matheus Fiore

Ferramentas como o deepfake já se tornaram populares na internet, apesar de não serem fáceis de manusear. Inicialmente, um vídeo manipulando o rosto de Barack Obama chocou a internet pela perfeição com que o sistema de inteligência artificial emula as feições do ex-presidente americano.

Pouco tempo depois, quando a ferramenta começou a surgir em maior escala pela internet, o SAG (o sindicato dos atores de Hollywood) criou medidas para proteger seus profissionais de ferramentas como o deepfake, justamente para valorizar o trabalho deles e evitar que eles tivessem seus rostos manipulados digitalmente.

Porém, nem todos vêem com maus olhos ferramentas como a citada no texto. No fim de 2018, por exemplo, a artista Charli XCX lançou um videoclipe que, por meio do uso da ferramenta, colocava o seu rosto em momentos clássicos de pilares culturais dos anos 90.

Agora, pesquisadores do Samsung AI Center em Moscou e do Skolkovo Institute of Science and Technology publicaram um artigo mostrando como um sistema criado por eles pode transformar uma simples imagem ou fotografia em uma cabeça virtual falante. Veja abaixo alguns exemplos feitos com o sistema divulgado no artigo pelo Gizmodo:


A grande diferença do sistema apresentado e dos já conhecidos deepfakes é que nos outros sistemas há a necessidade de utilizar um banco de imagens com uma quantidade razoável de fotografias para poder emular o rosto em vídeo, enquanto no projeto apresentado uma simples foto já basta para fazer o truque.

O artigo reascende uma discussão que já acontece há mais de um ano: como evitar que tais ferramentas sejam utilizadas para forjar imagens irreais que, em casos extremos, possam até mesmo incriminar pessoas inocentes? O debate parece longe de chegar a uma conclusão, enquanto a tecnologia, por sua vez, se torna cada vez mais aperfeiçoada e próxima de criar vídeos falsos com pouquíssimo conteúdo.

Compartilhe: