Colorado já arrecadou 1 bilhão de dólares com imposto sobre maconha

Dinheiro arrecadado é utilizado em inúmeros projetos relacionados a saúde, educação e prevenção ao bullying

por Matheus Fiore

Há cinco anos, o estado do Colorado legalizava a maconha para uso recreativo e se tornava um dos pilares no debate sobre legalização das drogas. Até hoje se discute sobre a efetividade da guerra às drogas iniciada durante o governo Reagan e sobre quais medidas alternativas podem ser tomadas para reduzir a violência e a criminalidade trazidas pelo tráfico.

Pondo de lado os tópicos sociais da discussão, o negócio da maconha só vem se provando lucrativo a cada mês que passa: em números totais, a maconha legalizada do Colorado já movimentou mais de 6 bilhões de dólares no estado. Nas últimas semanas, porém, uma nova e importante marca foi batida: os valores referentes a impostos sobre o produto chegaram a 1 bilhão de dólares.

Não é de se espantar, então, que empresas como a Marlboro estejam interessadas em investir 1 bilhão de dólares no mercado. O mercado que já ultrapassou a marca de 5 bilhões de dólares movimentados em menos de cinco anos continua crescendo na medida em que mais cidades discutem a legalização da substância.

De acordo com o Green Entrepreneur, o dinheiro dos impostos é importante para o Estado, bem como também para fortalecer a criação de empregos e o surgimento de novos negócios da indústria da cannabis. O estado do Colorado hoje é um modelo para outras regiões dos Estados Unidos e do mundo. A tendência é que visando ter a mesma arrecadação de impostos e impulsionamento de negócios e explosão de empregos, outros estados também legalizem a maconha.

Desde sua criação, a indústria da maconha legalizada do Colorado já proporcionou o surgimento de mais de 2.917 negócios relacionados e empregou mais de 41 mil pessoas. Os impostos coletados financiam programas do Estado como o do Departamento da Educação. Entre os programas beneficiados estão projetos de prevenção ao bullying, programas de saúde e aprendizado e até serviços para pessoas com transtornos mentais.

Compartilhe: