Facebook estuda seguir passos do Instagram e ocultar números de curtidas em publicações

Embora dados sobre os testes realizados no Instagram não tenham sido divulgados, rede social de Mark Zuckerberg está desenvolvendo protótipo similar para seu aplicativo no Android

por Pedro Strazza

O Instagram recentemente botou em prática o plano de sumir com os contadores de curtidas das publicações na linha do tempo e, embora ainda não existam dados sobre a eficácia da iniciativa, a ideia pelo visto deu tão certo que a sua rede social mãe agora está considerando fazer o mesmo.

Pois é, o Facebook estuda fazer o mesmo procedimento em sua linha do tempo e seu conjunto de reações, de forma a permitir que os usuários não se sintam mais pressionados a “bombar na TL” ao ficar se comparando com o desempenho de outros usuários. Um protótipo da iniciativa para o aplicativo do site no Android foi avistado pela usuária do Twitter Jane Manchun Wong e confirmado posteriormente pela própria rede ao TechCrunch.

Embora o Facebook não tenha divulgado dados sobre o impacto do ato de “esconder” os contadores de curtidas no Instagram (que agora só estão disponíveis aos responsáveis pela publicação) e a medida em teoria ameace o sistema de publicidade embutida na plataforma, o planejamento de repetir a estratégia na sua própria rede e o recente anúncio de expandir o teste para outros países além dos sete iniciais revela que algo está funcionando dentro dos planos atuais da companhia. Além dos números de curtidas afetarem o desejo da empresa em se tornar uma “rede social família” por fomentarem um ambiente de competição por atenção, estes dados também em teoria diminuem a avidez do público em postar a partir do momento que sua popularidade na plataforma cai, o que potencialmente aumenta o atual “êxodo” de usuários do site.

A empresa de Mark Zuckerberg não é a única rede social preocupada com esta relação entre saúde mental e estatísticas de popularidade. Na semana passada, o YouTube também confirmou que “abreviaria” os dados de assinantes nos canais sob a justificativa de “tirar a pressão” de seus criadores.

Compartilhe: