Com quase mil demissões, Lyft reduz 17% do quadro de funcionários

Queda no número de corridas durante a pandemia pode fazer companhia deixar de ganhar mais de US$ 100 milhões neste trimestre

por Pedro Strazza

A continuidade da pandemia começou a afetar a estrutura interna de algumas das principais companhias do meio digital. Nesta quarta (29), o Lyft anunciou por meio de procedimentos jurídicos a demissão de 982 funcionários, além de forçar licença a outros 288 trabalhadores. Informada à Comissão de Títulos e Câmbio dos Estados Unidos, os cortes representam uma redução de 17% no quadro da companhia.

O documento apresentado pela empresa também confirma que os custos implícitos na medida são da altura dos 28 a 36 milhões de dólares, conforme o Lyft terá que arcar com despesas relacionadas à “reestruturação e gastos relacionados primariamente ao rompimento do contrato com os funcionários e seus respectivos benefícios”. Reduções de salário também devem acontecer nos próximos três meses, com o time executivo da companhia levando um corte de 20% a 30% de seus pagamentos para permitir que funcionários percam apenas 10% de seus montantes mensais.

A situação é tensa na empresa. Além de um relatório do The Information indicar que o número de viagens feitas em seu aplicativo caiu em mais de 75%, o Lyft também teve que começar a arcar com os custos de licença médica dos motoristas que pararam de trabalhar devido ao coronavírus, o que no relatório trimestral pode representar uma queda no faturamento para a faixa dos US$ 150 milhões, muito abaixo dos US$ 260 milhões arrecadados no fim do ano passado.

A companhia vem buscando alternativas, porém. Nos últimos dois meses o Lyft anunciou suas primeiras incursões por serviços de delivery, incluindo a entrega de itens essenciais ao governo estadunidense e de comida e medicamentos à extensa base de usuários.

A expectativa agora é que mais empresas do ramo sofram com cortes do tipo, incluindo o Uber que segundo o próprio The Information está discutindo planos de demissões de até 20% do quadro de funcionários ao redor do globo.

Compartilhe: