Localização de smartphones mostra que norte-americanos voltaram a se deslocar após reabertura das cidades

Agência especializada em análise de dados de localização mostra que milhões estão voltando a passear e viajar

por Matheus Fiore

Mesmo que a pandemia do novo coronavírus ainda esteja longe de terminar, muitas cidades conseguiram, graças ao distanciamento social, às quarentenas e aos lockdowns, superar a crise, e agora, aos poucos, começam a retomar suas atividades. Nos Estados Unidos, algumas dessas cidades já estão, inclusive, reabrindo a maioria de seus comércios.

Agora, a Cuebiq, uma agência especializada em análise de dados de localização, apresentou um estudo mostrando como os GPS dos celulares dos americanos estão registrando esses deslocamentos. Segundo a Cuebiq, milhões de pessoas já voltaram a se locomover normalmente, inclusive viajando para fora do país, em alguns casos. A empresa criou um painel digital que mostra as atividades por todo o território americano. Para acessá-lo, clique aqui.

Dados coletados pela Cuebiq no início de março. O azul significa redução de mobilidade pelo usuário, enquanto o laranja apresenta tráfego normal da localização.

O aumento no deslocamento começou a se intensificar na última semana, justamente quando algumas cidades e estados americanos começaram a reabrir. Para realizar o levantamento, a Cuebiq determina onde é a “casa” de um celular ao identificar onde ele fica por mais tempo. O passo seguinte é definir o que é um deslocamento para fora de casa, que nos parâmetros da empresa, é qualquer movimentação para além de cem metros de distância do lar do aparelho.

Dados coletados pela Cuebiq no fim de abril e começo de maio. O azul significa redução de mobilidade pelo usuário, enquanto o laranja apresenta tráfego normal da localização.

Na Europa, outros países também, aos poucos, se preparam para reabrir completamente. Há, porém, muita cautela para evitar novos surtos de COVID-19. Na Itália, por exemplo, robôs estão sendo utilizados para verificar o uso de máscaras de proteção e medir a temperatura corporal de clientes em comércios.

No Brasil, nossa realidade, infelizmente, ainda é muito distante da reabertura. Os índices de contágio e óbito só crescem, ao passo que o sistema de saúde de alguns estados já está colapsando, o que dificulta ainda mais salvar as vidas de quem contrair o COVID-19. Apesar disso, uma pesquisa mostra que 4 entre 10 brasileiros ainda apoiam o fim do distanciamento social. É difícil imaginar, portanto, que não haja um enorme índice de pessoas furando a quarentena pelo país.

Compartilhe: