Maisa e seus 18 anos

Os 18 anos de Maísa e o desafio de vender carro pela internet

O marco de vida que ainda se atrela bastante ao "tirar a carta" como oportunidade de massificar a digitalização da jornada de compra de um carro como "novo normal"

por Mark Cardoso

Muito se falou, nos últimos dois anos, sobre a tal “digital transformation”. E é curioso perceber como a mudança de comportamento, em geral, é algo que leva tempo (e custa muito dinheiro em campanhas motivadoras e didáticas). Mas quando a ne-ces-si-da-de surge, nós somos capazes de rapidamente rever comportamentos e considerar novas rotas para seguir a vida. Tem sido assim desde que a pandemia do coronavírus nos impôs um isolamento social: novas formar de ser e estar, de lidar com a rotina… e de consumir.

Prevista em diversos relatórios, a digitalização do “finalzinho” da jornada de compra de um automóvel era uma das grandes expectativas – até por questões de regulamentação. Mas sem concessionárias abertas, a indústria automotiva precisou repensar muita coisa. Entre elas, a forma de motivar os seus consumidores a fazer uma compra digital daquilo que ainda conta com uma boa parte de sensorialidade para a tomada de decisão: o sentar ao banco, o tocar o volante, o escutar do “start” e ronco do motor.

Um dos principais gatilhos para a troca ou aquisição de um novo carro são os ritos de passagem, as mudanças de fases da vida. Ainda no imaginário de muita gente, o “fazer 18 anos” é um desses grandes marcos. Orientada dessa forma, a Renault ficou ligada na chegada dos 18 da adolescente mais influente do Brasil, Maísa – e assim surgiu “#MeuPrimeiroRenault”.

Mais que isso, em um momento em que é preciso aceitar um “novo normal” – que é a compra de um carro pela internet – nada é mais estratégico do que colocar alguém (da geração Z) a quem isso já é normalíssimo para mostrar que é possível, simples, e que pode vir a se tornar o natural, daqui para frente. Principalmente se essa adolescente dialoga tão bem com membros das ditas geração X e Y – do Google, 42% do público tem mais de 35 anos de idade.

“O objetivo é, obviamente, vender carros. Mas gerando afinidade e empatia com a audiência, apresentando condições com entretenimento e conteúdos relevantes para nossos clientes” conta Federico Goyret, diretor de marketing da Renault do Brasil.

Em um café ali na copa (saudades!), o diretor de criação da campanha feita pela DPZ&T, Fabio Mozeli, foi cirúrgico: “#Maisa18 é um evento midiático em um país que viu essa estrela crescer e se tornar um fenômeno digital. Se a chegada aos 18 anos é o momento em que tiramos a habilitação para dirigir, não poderíamos ficar de fora desta conversa.”.

Compartilhe: