Menos de 20 anos após lançamento, Segway encerra fabricação

Veículo encerra trajetória no mercado com 140 mil unidades vendidas depois de estipular 100 mil para os 13 primeiros meses de vida

por Pedro Strazza

A Segway Inc. confirmou ao Fast Company nesta terça-feira (23) que vai descontinuar oficialmente a produção do Segway, o veículo de transporte descolado que fabrica desde 2001. O último modelo da linha, o Segway PT, deixa de ser produzido a partir do próximo dia 15 de julho junto com a fábrica localizada em New Hampshire, que deve manter um grupo de 12 funcionários para lidar apenas com questões de manutenção e garantia dos itens já vendidos – outros 21 trabalhadores serão dispensados.

É um fim diminuto para uma tecnologia que começou promissora, sendo anunciada no começo do século como a invenção que revolucionaria os transportes ao “democratizar” a mobilidade urbana. Mas apesar da fama adquirida em filmes e séries (como esquecer de Jeff Bridges usando o aparelho no primeiro “Homem de Ferro”), a verdade é que o Segway nunca decolou enquanto negócio, sendo vendido duas vezes e se especializando no segmento de turismo e segurança de algumas poucas cidades – e shoppings, vide “Segurança de Shopping”.

Também prejudicou muito que a tecnologia em si fosse muito cara de se produzir, o que barrou as chances do Segway triunfar na ascensão do mercado de micromobilidade de bicicletas e patinetes elétricos. De acordo com a Fast, a companhia vendeu apenas 140 mil unidades do aparelho em toda a sua existência, um número ridiculamente baixo se considerar que a meta para os primeiros 13 meses de vida era de 100 mil.

Apesar do fim do aparato, a empresa continua. Além da Segway e sua atual dona – a chinesa Ninebot – serem responsáveis por 70% da produção de patinetes elétricos, com contratos firmados com startups grandes do ramo como a Bird e a Lime. Além disso, a companhia conta com mais de mil patentes registradas que podem ser reaproveitadas no futuro para outras tecnologias – que podem inclusive fornecer uma solução financeira que ajude o veículo a voltar ao mercado daqui uns anos.

Compartilhe: