cover-twitter6

Twitter vai começar a deletar tuítes com desinformação sobre a vacina do coronavírus

Teorias da conspiração também estão inclusas na lista de banimento, que passa a valer a partir da próxima semana

por Pedro Strazza

O Twitter anunciou nesta quarta (17) que vai começar a deletar publicações na plataforma que contenham desinformação e mentiras sobre a vacinação do coronavírus. A decisão inclui tuítes que aleguem que as vacinas “causem danos intencionais para controlar populações” ou divulguem teorias da conspiração, com início das atividades previsto para a próxima semana.

Em seu blog oficial, a empresa trata a ação como uma expansão de suas medidas contra a desinformação em torno da pandemia, algo que é reforçado na inclusão no banimento de tuítes relacionados à sugestão de que o coronavírus não existe e que promovem teorias falsas já há muito tempo verificadas. Além disso, a plataforma a partir de 2021 também vai marcar como falso as publicações que promoverem conspirações sobre a vacinação, repetindo o esquema das eleições de redirecionar a audiência a informações provindas de especialistas – nesse caso de saúde pública.

Ainda segundo a companhia, o Twitter vai “reforçar esta política em colaboração próxima de autoridades locais, nacionais e globais de saúde pública ao redor do mundo, se esforçando para ser iterativo e transparente na abordagem”. A preocupação obviamente está na garantia de uma ampla vacinação em todos os países, conforme as primeiras doses começaram a ser aplicadas em trabalhadores de saúde e cidadãos da terceira idade em diferentes cantos do globo – e a desinformação sobre o tema vem sendo espalhada aos quatro ventos nas redes.

Apesar de ser o mais drástico do Twitter no tema – mesmo durante as eleições nunca se discutiu a remoção de conteúdo – o esquema é coerente com as atitudes da rede social com a pandemia nos últimos meses. Desde março, a companhia vem promovendo informação sobre a doença de forma ativa na aba de exploração e firmou parceria com instituições como a OMS para manter o público atualizado da situação.

Compartilhe: