fbpx
GUIDE SHOP (2)
Imagem: Amaro

Amaro torna-se empresa de carbono negativo ao dobrar suas compensações de gás carbônico

Créditos de carbono da empresa são destinados a projetos de proteção da Amazônia e de coleta de biogás em aterros sanitários

por Pedro Strazza

A Amaro nesta segunda (9) anunciou que se tornou a primeira empresa brasileira de consumo a alcançar o status de carbono negativo por completo. A meta foi alcançada ao longo deste ano, conforme desde janeiro a empresa de retail tech dobrou a quantidade de emissão de gás carbônico neutralizado, reduzindo a quantidade do composto produzido por seus produtos e atividades corporativas.

Na prática, a marca agora diz que agora compensa em dobro todo o dióxido de carbono que produz, a partir da compra de créditos de carbono – que representam o quanto deixou de ser emitido ou evitado pelas práticas da empresa. Além de reforçar o comprometimento com a sustentabilidade, a Amaro ainda declara que seu volume de emissão projetado para 2021 é de 15 mil toneladas de gás carbônico e que tem 30 mil créditos de carbono certificados – o equivalente a 3,6 bilhões de smartphones com bateria completa.

No comunicado à imprensa, o CEO da companhia Dominique Oliver destaca que os feitos são resultados de anos de execução de planos na área. “A AMARO nasceu inovando e desafiando o status quo, e isso também vale para sustentabilidade. Nos questionamos o tempo todo se estamos fazendo a coisa certa.”, escreve o executivo; “Por isso, desde 2018 estamos reduzindo nosso impacto no meio ambiente em todas as áreas. Agora em 2021, fomos além da neutralização e compensamos o dobro da nossa pegada de carbono com o objetivo de, proativamente contribuir para a regeneração do nosso planeta e reverter as mudanças climáticas”.

Os créditos de carbono da companhia financiam dois projetos. O primeiro deles é a Moss, que apoia o projeto Fortaleza Ituxi para proteção da floresta nas áreas da Amazônia mais ameaçadas pelo desmatamento. Já o segundo é a Biofilica, cujo financiamento é destinado a projetos de coleta de biogás em aterros sanitários e que, graças aos créditos da Amaro, podem ser otimizados e expandidos para tornar a operação ainda mais encorpada.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link